Depósitos com taxas zero é "péssimo para particulares"

Depósitos com taxas zero é "péssimo para particulares"

 

Lusa/AO online   Economia   23 de Mar de 2015, 11:06

A Associação Portuguesa de Consumidores e Utilizadores de Produtos e Serviços Financeiros considerou "péssimo para os depositantes particulares" o facto de vários bancos não remunerarem os depósitos a prazo, embora os clientes sejam obrigados a pagar comissões.

 

Em declarações à agência Lusa, António Júlio de Almeida, membro da direção da Associação Portuguesa de Consumidores e Utilizadores de Produtos e Serviços Financeiros (SEFIN), afirmou que o facto da taxa de juro negativa ou zero, que os bancos estão a oferecer aos seus depositantes, também não agrada aos bancos, embora seja mais lesiva para os depositantes.

"Evidentemente é péssimo para os particulares que depositam, mais grave para o caso dos particulares que não só não recebem taxas de juro, como também têm de pagar por emprestar dinheiro aos bancos, quando estes cobram comissões de gestão estão a querer que as pessoas ponham lá dinheiro e paguem ao banco", sublinhou o mesmo responsável.

De acordo com uma notícia hoje publicada no Jornal de Notícias, os depósitos a prazo estão cada vez menos convidativos para os clientes, com os bancos a pagarem cada vez menos para se financiarem junto do Banco Central Europeu (BCE).

Segundo a notícia, Banif, BPI e o Novo Banco são, para já, os três bancos com depósitos a zero por cento, salientando que, nos preçários de março, várias instituições bancárias voltaram a descer as remunerações que estão dispostas a pagar para que os clientes depositem o dinheiro nos seus cofres.

Nas declarações à Lusa, António Júlio de Almeida ironizou ao aconselhar os depositantes a deixarem de entregar as poupanças aos bancos e a ficarem com o dinheiro em casa, mas alertou que, se essa posição fosse tomada, dar-se-ia o colapso do sistema financeiro.

"Se as pessoas tirarem o dinheiro dos bancos, colapsa o sistema financeiro. Mais de 70% do dinheiro dos bancos são das pessoas, particulares e famílias. Não se pode dizer isso tendo em vista o interesse nacional, mas do ponto de vista do mercado, dá vontade de o dizer", sublinhou.

No entanto, António Júlio de Almeida reconheceu que a economia faz-se de ciclos e sublinhou que estamos "no início de um processo de retoma".

"Será um ciclo com mais um ou dois anos e depois iremos voltar à normalidade. Esta situação agora é excecional, tenderá a corrigir-se", explicou.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.