Defesa das famílias diz que Comandos “falharam” aos dois instruendos que morreram

Defesa das famílias diz que Comandos “falharam” aos dois instruendos que morreram

 

Lusa/AO online   Nacional   1 de Fev de 2018, 16:35

As defesas das famílias de Dylan da Silva e de Hugo Abreu, que morreram durante o 127.º curso de Comandos, disseram esta quinta-feira em tribunal que os arguidos “falharam” no dever de proteção dos instruendos, pedindo julgamento para todos.

“Cabia aos senhores [arguidos] saber quando é que deviam parar [a instrução]. O facto de estes jovens, nomeadamente os dois que morreram, quererem ser Comandos, só vos devia obrigar a ser mais exigentes no cumprimento dos vossos deveres jurídicos. Vocês falharam”, afirmou Ricardo Sá Fernandes, advogado da família de Hugo Abreu, durante as alegações finais no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, no qual decorre a fase de instrução do processo.

O advogado da mãe de Dylan da Silva, Miguel Santos Pereira, corroborou a seguir a ideia de Ricardo Sá Fernandes. Ambos pediram à juíza de instrução criminal que profira despacho de pronúncia (que leve a julgamento os 19 arguidos), elogiando a acusação do Ministério Público (MP).

“Muito escrupulosa, muito rigorosa [a acusação]. Houve um esforço muito grande de fazer uma especificação dos dados factuais. Esta acusação não é nula e está em condições de seguir para julgamento”, afirmou o advogado da família de Hugo Abreu, que criticou a postura dos arguidos durante a instrução do 127.º curso de Comandos.

“Vocês tinham o dever jurídico de zelar pela sua saúde, de impedir que eles fossem mal tratados. Não cumpriram esse vosso dever”, acusou Ricardo Sá Fernandes.

Segundo o advogado, os arguidos, em algumas situações atuaram por “omissão”, e noutros cometeram mesmo os crimes e os factos que constam da acusação do MP.

“Bater nos instruendos, mandar rastejar para as silvas, dizer palavras que os humilhavam, meter terra na boca como aconteceu com o Hugo Abreu, não tiraram a temperatura a estes jovens, não mandaram suspender estes exercícios. Não foram capazes de mandar evacuar aqueles jovens”, lamentou Ricardo Sá Fernandes.

Para o assistente no processo é essencial que “não se banalize o mal” e por isso pediu que os culpados sejam condenados em julgamento.

“É muito importante que não se banalize o mal. Este processo também tem a ver com a maldade. Haja julgamento e aqueles que têm responsabilidades concretas, que sejam condenados os culpados, pela memória do Hugo Abreu, do Dylan, por nós, pelas nossas famílias, pelo nosso país”, sublinhou Ricardo Sá Fernandes.

O advogado da mãe de Dylan da Silva pediu igualmente julgamento para todos os arguidos, frisando que estes terão de viver “com os factos” que ocorreram.

“Cabe-vos a vocês, Comandos, escolher o que será o futuro do Regimento de Comandos. Não só, mas muito por força do 127.º curso, não são bem vistos, não só no seio das Forças Armadas, mas também na sociedade”, vincou Miguel Santos Pereira, apelando para uma mudança de mentalidades na forma como se dá a instrução no curso de Comandos.

Em junho do ano passado, o MP acusou 19 militares no processo relativo à morte de dois recrutas dos Comandos e internamento de outros, considerando que os arguidos atuaram com "manifesto desprezo pelas consequências gravosas que provocaram nos ofendidos".

"Os princípios e valores pelos quais se regem os arguidos revelam desrespeito pela vida, dignidade e liberdade da pessoa humana, tratando os ofendidos como pessoas descartáveis", indica a acusação assinada pela procuradora Cândida Vilar.

A acusação refere que, ao sujeitarem os ofendidos a essa "penosidade física e psicológica" durante a recruta efetuada em setembro de 2016, todos os arguidos sabiam que "excediam os limites" permitidos pela Constituição e pelo Estatuto dos Militares da Forças Armadas e "colocaram em risco a vida e a saúde dos ofendidos, o que aconteceu logo no primeiro dia de formação.

Dois recrutas morreram e vários outros receberam assistência hospitalar durante o treino do 127.º Curso de Comandos, na região de Alcochete, distrito de Setúbal, a 04 de setembro de 2016



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.