Declarado estado de emergência na Tunísia e recolher obrigatório em Tunes


 

Lusa/AO Online   Internacional   24 de Nov de 2015, 19:00

A Presidência da Tunísia anunciou esta noite a instauração do estado de emergência no país e a imposição do recolher obrigatório na área metropolitana de Tunes, a capital.

O chefe de Estado Béji Caid Essebsi proclamou a medida na sequência do atentado contra um autocarro da segurança presidencial e que provocou 12 mortos.

“Atendendo a este acontecimento doloroso, esta enorme tragédia (…) proclamo nos termos da lei o estado de emergência por 30 dias e um recolher obrigatório na área metropolitana de Tunes a partir das 21:00 até às 05:00 [entre as 20:00 até às 04:00, hora de Lisboa]”, declarou Béji Caid Essebsi num breve discurso transmitido pela televisão.

O porta-voz da Presidência, Moez Sinaoui, precisou à agência noticiosa francesa AFP que o cessar-fogo estará em vigor “até nova ordem”.

Pelo menos 12 agentes da segurança presidencial foram mortos e 20 ficaram feridos – um balanço oficial provisório – numa explosão que atingiu o veículo em pleno centro da capital, um atentado “terrorista” segundo as autoridades.

A Tunísia tinha suspendido no início de outubro o estado de emergência imposto alguns dias após o atentado que provocou 38 mortos, todos turistas estrangeiros, em 26 de junho num hotel à beira-mar perto de Sousse.

Os tunisinos já tinham sido submetidos à medida há três anos, de 14 de janeiro de 2011, algumas horas antes da fuga do ditador Zine El Abidine Ben Ali, a março de 2014.

Esta medida de exceção permitiu designadamente às autoridades proibir as greves e reuniões “que pudessem provocar ou conduzir à desordem”, encerrar provisoriamente salas de espetáculos” e outros locais públicos e ainda “adotar todas as medidas para assegurar o controlo dos media e as publicações que qualquer natureza”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.