Daniel Oliveira abandona Bloco de Esquerda

Nacional /
Daniel Oliveira

766 visualizações   

Daniel Oliveira decidiu abandonar o Bloco de Esquerda por considerar que o partido é hoje "um fator de bloqueio, alimentando-se e alimentando o sectarismo", segundo a carta que enviou ao partido.
 

Na carta, publicado hoje no site do jornal Expresso, Daniel Oliveira acusa Francisco Louçã, anterior coordenador do Bloco de Esquerda, de não ter desistido de “continuar a coordenar, sem ocupar o cargo” o partido.

A agência Lusa contactou telefonicamente Daniel Oliveira, que se escusou a prestar declarações, remetendo quaisquer esclarecimentos para a carta divulgada pelo Expresso.

Na carta, Oliveira ataca a “cultura sectária” do Bloco, considerando que internamente enfraquece o partido e que, externamente, o tem “impedido de ser (…) um fator de convergência e reconfiguração da esquerda portuguesa”.

Para o agora ex-militante, avançou-se com uma corrente maioritária que “matará a possibilidade de democratização da vida interna do Bloco”.

“O que me deixa perplexo é o completo autismo da direção do Bloco, que, enquanto o país se desmorona, se entretém com estes pequenos golpes palacianos, num partido com uma militância tão reduzida”, refere a missiva.

Esta nova corrente é, para Daniel Oliveira, liderada por Francisco Louçã, a quem acusa de não desistir de continuar a coordenar o partido e de promover um “certo culto da personalidade”.

“Fica também evidente que a indicação do atual modelo de liderança e a inusitada nomeação dos dois coordenadores não foi um acidente”, escreve, recordando que discordou da opção por uma direção bicéfala.

Daniel Oliveira lamenta que, “alimentando o sectarismo”, o BE seja hoje um fator de bloqueio da esquerda, quando devia funcionar como um desbloqueador: “Um partido incapaz da tolerância interna, nunca será um fator de criação de um espírito unitário que dê tradução política à luta popular”.

Nesta linha, é também criticado o “boicote premeditado a qualquer entendimento à esquerda”.

Falando do próximo desafio eleitoral em Portugal, Daniel Oliveira classifica as autárquicas como fundamentais para o Bloco e critica a estratégia que o partido está a seguir.

“Concorrer em todo o lado em que o consiga fazer” é uma “estratégia suicida, qualifica, adiantando que a escolha dos candidatos obedeceu a uma lógica de “mera luta interna entre concorrentes”.

Daniel Oliveira diz que sai do Bloco porque não seria sério manter-se num projeto político onde não se sente bem, nem tem esperanças de se vir a sentir melhor, sublinhando que não está no “mercado partidário”.

Diário de Notícias Dinheiro Vivo Jornal de Notícias Notícias Magazine O Jogo TSF Volta ao Mundo Açoriano Oriental DN Madeira Jornal do Fundão