Da Revolução dos Cravos a Presidente de "todos os portugueses"


 

Pedro Morais Fonseca, da agência Lusa   Nacional   7 de Jan de 2017, 14:13

Mário Soares foi um dos fundadores da democracia portuguesa, adversário das correntes revolucionárias entre 1974 e 1975, e em 1986 chegou a Presidente "de todos os portugueses", sendo reeleito em 1991 com mais de 70% dos votos.

 

Na madrugada do 25 de Abril, quando o Movimento das Forças Armadas (MFA) derrubou a ditadura, o primeiro secretário-geral do PS estava em França, no exílio.

Logo que soube do golpe de Estado, Mário Soares decidiu regressar imediatamente a Portugal, apanhou o comboio em Paris e chegou a Lisboa dois dias após o 25 de Abril.

Na estação ferroviária de Santa Apolónia, foi recebido em euforia por uma multidão, a quem falou da varanda da estação.

No nascimento do novo regime político, com o general António de Spínola a Presidente da República, foi ministro dos Negócios Estrangeiros dos três primeiros governos provisórios e ministro sem pasta do IV, nestes dois últimos já com o general Costa Gomes nas funções de chefe de Estado.

Neste período, esteve diretamente envolvido no início da descolonização da Guiné, Cabo Verde, Angola, São Tomé e Príncipe e Moçambique - processo que, pela sua controvérsia, marcou a sua carreira política.

Depois de o PS ter vencido com cerca de 38 por cento dos votos as primeiras eleições livres da democracia, para a Assembleia Constituinte, em abril de 1975, Mário Soares entrou em frontal rota de colisão com o bloco comunista e com o então primeiro-ministro Vasco Gonçalves.

Demitiu-se do IV Governo Provisório e foi o mais destacado protagonista civil do movimento contra a ameaça de "um novo totalitarismo", desta vez de inspiração soviética.

Tendo como aliados internacionais Helmut Schmidt (chanceler da República Federal Alemã), Olof Palme (primeiro-ministro sueco), François Mitterrand (que viria a ser Presidente de França), e próximo do então norte-americano em Lisboa, Frank Carlucci, o líder do PS bateu-se por uma via europeia para Portugal e lutou politicamente contra o Processo Revolucionário em Curso (PREC), que seria derrotado militarmente com o golpe de 25 de novembro de 1975, chefiado pelo general Ramalho Eanes.

O PS voltou a vencer o segundo ato eleitoral da democracia, as primeiras eleições legislativas, em abril de 1976, e Mário Soares foi nomeado primeiro-ministro do I Governo Constitucional.

Enquanto chefe de Governo, primeiro com um executivo do PS sem maioria no Parlamento, depois em coligação com o CDS, teve de gerir o regresso de milhares de retornados das ex-colónias e uma situação de quase rutura financeira do país, aplicando um programa negociado com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Mas foi também neste período, em 1977, que Mário Soares iniciou formalmente o processo de adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia (CEE).

De 1979 a 1983, na oposição, acordou com a Aliança Democrática (PSD/CDS/PPM) e primeira revisão da Constituição, que consagrou o caráter civilista do regime.

Em 1983, Soares foi novamente primeiro-ministro, desta vez em coligação com o PSD liderado por Mota Pinto. O IX Governo Constitucional, conhecido como o Governo do "Bloco Central", de 1983 a 1985, foi confrontado com a necessidade de um segundo pedido de resgate ao FMI e concluiu o processo de adesão de Portugal à CEE a 12 de julho de 1985.

Apesar da recomposição das finanças públicas e de se ter alcançado o objetivo da integração europeia, o PS sofreu a maior derrota da sua história nas eleições legislativas de 1985, com 21 por cento dos votos.

Mesmo com um ambiente político desfavorável - as sondagens davam-lhe oito por cento das intenções de voto -, Mário Soares decidiu no final de 1985 lançar-se na corrida presidencial.

Na primeira volta, atingiu os 25 por cento, batendo os outros candidatos apoiados por eleitorado de esquerda, Maria de Lurdes Pintassilgo e Salgado Zenha, que até 1980 tinha sido o seu "número dois" na direção do PS. Na segunda volta, derrotou o candidato apoiado pelo PSD e CDS, Freitas do Amaral, por 120 mil votos de diferença.

No discurso de vitória, nessa noite, afirma-se “Presidente de todos os portugueses”.

Em Belém, exerceu um primeiro mandato em que apostou na proximidade com as pessoas, através da realização de "presidências abertas", em que se fixava vários dias fora da capital, tal como os antigos monarcas portugueses fizeram até ao final do Antigo Regime. No plano externo, realizou dezenas de viagens por todo o mundo, visando projetar a imagem de Portugal como uma democracia moderna.

Neste seu primeiro mandato, PS, PRD (Partido Renovador Democrático) e PCP uniram-se numa moção de censura que derrubou o Governo minoritário liderado por Cavaco Silva, mas Soares recusou a formação de um novo executivo com base naqueles partidos de esquerda e convocou eleições antecipadas em 1987, nas quais o PSD teve a sua primeira de duas maiorias absolutas.

Mário Soares foi reeleito sem dificuldade Presidente da República em 1991, com 70,4 por cento dos votos e com o apoio do PSD. No entanto, o seu segundo mandato seria marcado por um clima de crispação com o Governo de Cavaco Silva.

Nos meios do PSD, foi apontado como uma das "forças de bloqueio" da governação de Cavaco Silva, enquanto Soares reclamou "o direito à indignação" mesmo perante um Governo de maioria absoluta.

Em 1995, depois de dez anos de "jejum" de poder socialista, Mário Soares deu posse a António Guterres como primeiro-ministro e, alguns meses depois, no início de 1996, passou o testemunho da Presidência da República a um outro socialista, Jorge Sampaio.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.