OE2013

CSP propõe isenção de IRC para novas empresas

CSP propõe isenção de IRC para novas empresas

 

Lusa/AO online   Economia   9 de Out de 2012, 10:01

A Confederação dos Serviços de Portugal (CSP) propôs esta terça-feira 10 medidas para o Orçamento do Estado de 2013, onde defende a isenção do IRC para novas empresas em função da criação de empregos.

Segundo a confederação liderada por Luís Reis, esta isenção durante os primeiros anos de atividade de novas empresas, associado à criação de postos de trabalho, seria um "incentivo à atração de investimento".

Além disso, iria "estimular a criação de novas empresas", pelo que a CSP propõe uma redução do Imposto sobre o Rendimento de pessoas Coletivas (IRC) ligada ao número de postos de trabalho criados, numa medida que poderia vigorar, "por exemplo, nos primeiros três anos de atividade.

Outra das medidas avançadas é a redução do número de obrigações declarativas, de forma a diminuir a burocracia que considera "excessiva".

Declarações de IRC, de alterações, de Registo, de IVA, declarações periódicas, declarações estatísticas, entre outras, "deveriam ser agrupadas numa única declaração simplificada", refere a CSP, numa nota sobre as suas propostas.

Além disso, "é cada vez mais urgente e necessário nos dias de hoje adequar a liquidação de IVA [imposto sobre o consumo] ao efetivo recebimento da fatura. Existem liquidações de IVA desproporcionais às condições de pagamento acordadas", aponta a confederação.

O pagamento de IVA aquando da efetiva liquidação das faturas em causa é uma medida que "possibilita o número de processos incobráveis, assim como atenuar dificuldades de tesouraria das empresas".

A confederação propõe ainda o alargamento da dedução de determinados custos para incentivar a exigência de faturas pelos bens ou serviços adquiridos.

"A dedução em IRS de 5 por cento do IVA pago até a um máximo de 250 euros e 10 euros por fatura é irreal e obrigada a consumos de 26.739 euros. Sem alargamento destas deduções continua a não existir incentivo à obtenção de fatura, levando à fraude e evasão fiscal".

Por isso, "propomos a criação no Portal das Finanças de uma área que agregue todas as movimentações de IVA, apenas pelo NIF [Número de Identificação Fiscal] do consumidor".

Entre as 10 medidas, consta ainda a criação de um grupo Fiscal em sede de IVA. Isto porque "ao contrário do que se passa em sede de IRC, as sociedades pertencentes a um mesmo grupo de empresas não podem compensar os valores que umas devem com os valores que outras têm a haver", já que "significa um financiamento adicional ao Estado, tendo em conta os prazos médios de pagamento que este pratica".

A CSP propõe incentivo às empresas exportadoras, a adoção de medidas tendentes a reduzir prazos de pagamento a fornecedores do Estado e a cessação da obrigação de cobrar juros nos fluxos intragrupo. Esta última medida "permite estabelecer regras mais flexíveis em grupos empresariais, em matéria de preços de transferência ao nível do consolidado fiscal, reduzindo burocracia e encargos administrativos nas empresas".

O reconhecimento automático da incobrabilidade dos créditos em sede de IVA e a dedução à coleta de lucros retidos e reinvestidos são outras das propostas defendidas pela Confederação dos Serviços de Portugal.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.