Criadoras portuguesas dizem que prémio de mérito é alerta para igualdade de género


 

Lusa/AO online   Nacional   10 de Out de 2017, 18:17

A atribuição de um prémio de mérito a cinco autoras da cultura portuguesa significa que ainda é preciso dar mais visibilidade às mulheres e alertar para a igualdade de género, disseram as premiadas.

A jornalista Diana Andringa, a soprano Elisabete Matos, a atriz Cristina Paiva, a pintora Paula Rego e a encenadora Mónica Calle foram hoje distinguidas pelo Governo com o prémio Maria Isabel Barreno - Mulheres Criadoras de Cultura.

No final da cerimónia, realizada no Museu dos Coches, em Lisboa - à qual Paula Rego faltou por razões de saúde -, a atriz Cristina Paiva, fundadora do projeto Andante, disse à Lusa que o prémio serve para colocar na agenda pública a discussão sobre o papel da mulher na sociedade.

"Continuamos a precisar deste tipo de rituais, porque a igualdade entre géneros está muito longe. (...) Na minha carreira é muito importante, porque eu faço promoção da leitura, num sentido em que tento não só seduzir um leitor, mas que as pessoas - ao debruçarem-se sobre a leitura - consigam refletir sobre o mundo, sobre a justiça, a igualdade", disse.

Diana Andringa dedicou o prémio a "todos os jornalistas que consideram que fazer jornalismo é uma forma de intervir na cultura e na cidadania e não criar conteúdos nem encher chouriços", enquanto a soprano Elisabete Matos recordou os sacrifícios da carreira na música e na cultura em Portugal, porque esta - a cultura - é "sempre o parente pobre de todas as áreas".

Mónica Calle admitiu que, ao longo da carreira como atriz e encenadora, se foi confrontando com rótulos e dificuldades na criação artística por ser mulher: "O facto de ser um homem nunca é uma questão ou um ponto de vista. As mulheres continuam a ter esta ideia de serem rotuladas por serem mulheres".

Em representação da pintora Paula Rego, o prémio foi entregue à curadora Cristina Alfaro, coordenadora da programação e conservação da Casa das Histórias - Museu Paula Rego. Na cerimónia, a artista plástica transmitiu a surpresa de lhe atribuírem "uma guloseima" pela única coisa que sabe fazer - pintar e desenhar.

A cerimónia de entrega dos prémios contou com a presença da secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Catarina Marcelino, e do secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado.

A Distinção Maria Isabel Barreno - Mulheres Criadoras de Cultura é uma iniciativa da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género e do Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais.

Em edições anteriores foram reconhecidas, entre outras, a bailarina Anna Mascolo, a encenadora Germana Tânger, a maestrina Joana Carneiro, a 'designer' de moda Alexandra Moura, a realizadora Teresa Villaverde, a editora livreira Bárbara Bulhosa e a cantora Maria João.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.