Criado grupo de trabalho para reestruturação do setor das pescas dos Açores

Criado grupo de trabalho para reestruturação do setor das pescas dos Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   16 de Mar de 2016, 10:14

A constituição do grupo de trabalho para a reestruturação do setor das pescas dos Açores foi hoje publicada em Jornal Oficial e inclui, entre outros, elementos do Governo Regional e da Universidade dos Açores.

O despacho, assinado pelo presidente do executivo açoriano, Vasco Cordeiro, refere que as pescas na região têm “necessidade de uma intervenção estrutural que permita melhorar a situação dos rendimentos dos profissionais do setor e adequar o esforço de pesca aos recursos marinhos disponíveis”.

O grupo de trabalho, presidido pelo diretor regional das Pescas, Luís Costa, vai delinear medidas que permitam a reestruturação do setor e a racionalização da frota de pescas do arquipélago, adianta o despacho.

Do grupo fazem parte outras seis pessoas, entre membros da empresa pública que gere as lotas na região, da Federação das Pescas dos Açores e ligadas à investigação científica.

Em fevereiro, o presidente do Governo dos Açores anunciou um resgate para o setor das pescas para dar condições para os trabalhadores desenvolverem a sua atividade.

No final de uma reunião com dirigentes da Federação das Pescas dos Açores, em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, Vasco Cordeiro explicou que foi decidida “a constituição de um grupo de trabalho” com elementos do executivo e da federação que “possa delinear uma medida que permita” uma reestruturação deste setor “não com um aumento do esforço de pesca”.

Para Vasco Cordeiro, trata-se de “uma espécie de resgate dentro deste setor que possa acautelar as necessidades de rendimento”, mas também de sustentabilidade e “as necessidades de reestruturação do setor para dar-lhe melhores condições para desenvolver a sua atividade”.

Na ocasião, o chefe do executivo regional não adiantou dados sobre o número de pescadores que podem ser abrangidos por esta reestruturação ou os valores envolvidos, contrapondo com a necessidade de primeiro definir qual a “melhor resposta para esta restruturação do setor”.

Reconhecendo que o valor do pescado vendido em lota aumentou em 2015, o presidente do Governo Regional dos Açores ressalvou que esta é “apenas uma aparência”, pois “houve uma quebra muito significativa de quantidades”, além de que o executivo não pode “ignorar os alertas que vão sendo dados, nomeadamente por parte da comunidade científica, em relação à situação dos ‘stocks’ de algumas espécies”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.