Coordenador do PPE no Parlamento Europeu contra intervenção no mercado do leite na UE

Coordenador do PPE no Parlamento Europeu contra intervenção no mercado do leite na UE

 

LUSA/AO online   Economia   3 de Nov de 2015, 16:02

O coordenador do Partido Popular Europeu (PPE) defendeu hoje, nos Açores, o fim do regime de preços condicionados no mercado do leite na União Europeia (UE), referindo a possibilidade de ser criado um modelo alternativo

"Poderia haver outros sistemas que teriam um outro efeito mais eficiente sobre o mercado do leite do que o sistema de intervenção nos preços”, afirmou Albert Dess, que integra uma delegação da comissão de Agricultura do Parlamento Europeu (PE), em visita aos Açores para conhecer o setor.

O eurodeputado alemão falava aos jornalistas na Ribeira Grande, ilha de São Miguel, à margem de um encontro dos deputados do Parlamento Europeu com o presidente da Federação Agrícola dos Açores (FAA), Jorge Rita, e outros dirigentes do setor.

Albert Dess considerou que o atual sistema de intervenção “não funciona, atualmente”, salvaguardando que o mesmo só era eficaz com o regime de quotas leiteiras, que terminou, entretanto, no espaço comunitário, em abril de 2015.

O dirigente do PPE defendeu, em alternativa ao regime dos preços de intervenção no mercado do leite da UE um sistema de decisões a prazo, como existe no Banco Central Europeu (BCE), que poderá surgir sobre pressão do PE.

“Por exemplo, se aumentasse o preço de intervenção para 28 cêntimos na Roménia, onde o preço é atualmente de 15 cêntimos, com este valor eles iriam produzir muito mais, muito rapidamente”, declarou.

O coordenador do PPE adiantou que nas melhores zonas da Holanda, Dinamarca, Suécia ou Alemanha, se o preço mínimo é 28 cêntimos “também haverá mais produção”, acrescentando que existem explorações que podem gerar lucros com este valor.

Questionado sobre se um novo regime que surgisse em alternativa aos preços de intervenção no mercado do leite da UE seria mais vantajoso para regiões desfavorecidas como os Açores, Albert Dess declarou que “se na UE, no mercado do leite, se sair globalmente desse sistema, sim, será bom para a região, isso é evidente”.

De acordo com o dirigente do PPE, só se devem retirar quantidades de leite “quando há uma forte distorção do mercado”, exemplificando que, se na Alemanha se retirarem vários produtos do mercado, “nessa altura haverá lugar para os produtos dos Açores”.

O eurodeputado socialista Eric Andrieu, que também integra a comissão de Agricultura do PE de visita aos Açores, defendeu na reunião com os dirigentes agrícolas um instrumento regulador do mercado no âmbito da nova reforma da Política Agrícola Comum (PAC).

Eric Andrieu preconizou a necessidade de transferir mais meios no âmbito do programa específico da UE para as regiões ultraperiféricas, o POSEI, para os Açores, visando combater os custos com os transportes na exportação dos seus produtos lácteos.

O eurodeputado socialista lamentou que a Comissão Europeia não entenda a crise que existe no setor agrícola, no terreno, que considerou ser real.

O presidente da FAA sensibilizou os eurodeputados para o facto de “não haver alternativas ao setor do leite nos Açores” que, se falir, levará a região à falência.

Jorge Rita considerou ser “fundamental” que se aumente as medidas de apoio para o setor nos Açores, ao abrigo da revisão do POSEI, sendo que a capacidade de exportação da região é penalizada pelos seus ‘handicaps’ permanentes, como os transportes, que lhe retiram competitividade.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.