Conselho Regional do PSD/A aprova "critérios" da escolha dos candidatos para as legislativas nacionais

Conselho Regional do PSD/A aprova "critérios" da escolha dos candidatos para as legislativas nacionais

 

LUSA/AO Online   Regional   16 de Mai de 2015, 14:24

O Conselho Regional do PSD/Açores aprovou hoje os "critérios" adotados pela Comissão Política na escolha dos candidatos às próximas eleições legislativas pelo círculo eleitoral dos Açores, mas não ratificou os nomes, porque não tinha essa competência.

Segundo José Manuel Bolieiro, presidente do Conselho Regional, o órgão "não podia aceitar exercer um poder que não é seu, de ratificação de lista". "O Conselho Regional exerceu a sua competência e não usurpou as responsabilidades nem os poderes da Comissão Política Regional, nem também ratificou lista, porque não era da sua competência nem sua responsabilidade", frisou, no final de uma reunião que demorou cerca cinco horas e meia, na Praia da Vitória. Um militante do PSD/Açores entregou um requerimento no Conselho Jurisdicional do partido a pedir a anulação da constituição da lista de candidatos à Assembleia da República, alegando que a Comissão Política Regional não tinha competência para o fazer, de acordo com os estatutos do partido. No entanto, segundo José Manuel Bolieiro, o Conselho de Jurisdição apresentou um "parecer de não procedência do requerido". Um movimento cívico reuniu mais de 2.000 assinaturas reivindicando a integração do ex-presidente do PSD/Açores e atual deputado à Assembleia da República, Mota Amaral, na lista pelo círculo eleitoral dos Açores, contrariando a decisão da Comissão Política Regional, que aprovou o nome da atual secretária de Estado Adjunta e da Defesa Nacional, Berta Cabral, como cabeça de lista. No início dos trabalhos do Conselho Regional, foi lida uma carta de Mota Amaral, cujo conteúdo não foi divulgado à comunicação social. Segundo Duarte Freitas, a apreciação que os membros do Conselho Regional fizeram da carta "está expressa nos votos". "O voto secreto foi totalmente expresso e inequívoco. Em 32 votantes, 30 votaram a favor daquilo que foi a proposta da Comissão Política Regional, um absteve-se e um votou contra", frisou. Apesar da contestação da lista escolhida, através do pedido da sua anulação e de um manifesto de apoio a Mota Amaral, o líder regional social-democrata considerou que o processo não poderia ter sido mais transparente e democrático. "Em 2009, não houve Conselho Regional para apreciar as listas. Em 2011, houve um Conselho Regional muito depois, já não apreciou. Eu não lembro nunca de ter havido uma Comissão Política Regional, onde se tomassem estas decisões por voto secreto e em que se fizesse um Conselho Regional também na altura devida e a votar por voto secreto", realçou. Quanto a Mota Amaral, afastado da Assembleia da República contra a sua vontade, continua a ter um papel ativo no PSD/Açores, segundo Duarte Freitas. "O dr. Mota Amaral é um ativo do PSD/Açores, dos Açores e certamente é o ativo mais importante da história do PSD/Açores. Vamos continuar a contar com o dr. Mota Amaral para defender os interesses do PSD/Açores e dos açorianos. Estou certo que isso será sempre uma mais-valia para a nossa região", salientou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.