Conselho de Ilha da Graciosa quer reforço das consultas de especialidade

Conselho de Ilha da Graciosa quer reforço das consultas de especialidade

 

Lusa/AO Online   Regional   11 de Jun de 2017, 11:37

O Conselho de Ilha da Graciosa reivindica o reforço das consultas da especialidade, pedido que vai apresentar ao Governo dos Açores, no âmbito da visita estatuária que o executivo regional começa na segunda-feira.

Segundo o memorando de preparação da visita, a que a agência Lusa teve hoje acesso, o Conselho de Ilha, organismo consultivo que integra autarcas e representantes dos sindicatos, associações empresariais e outras entidades ligadas ao ambiente, pescas ou agricultura, pede ainda, na área da saúde, a abertura de concurso para uma nova farmácia.

O documento defende, também, a consolidação de duas falésias e a elaboração de estudos técnicos para outras três “por apresentarem perigo”, assim como a consolidação da muralha da Praia e a requalificação do Porto Afonso, obras com projetos que foram anunciadas na última legislatura.

O Conselho de Ilha da Graciosa quer, por outro lado, a instalação de videovigilância no porto de pescas da Praia, para o qual reclama, igualmente, a construção de um telheiro para reparação e pintura de embarcações.

Ao Governo Regional, presidido por Vasco Cordeiro, aquele organismo solicita a concretização de um protocolo com a Junta de Freguesia da Praia para “a aquisição de uma bomba para repor o areal anualmente e desassorear o porto sempre que necessário”, e, no âmbito dos transportes marítimos, preconiza a audição dos organizadores de eventos e festas locais “para que sejam articulados os horários”.

Na Cultura, os conselheiros consideram que “as filarmónicas e agentes similares da ilha” sentem “enormes dificuldades no acesso aos apoios oficiais, devido ao excesso de burocracia e dificuldades no financiamento”, propondo a “revisão da legislação em vigor”.

O reforço dos apoios à habitação degradada e a prossecução dos programas de emprego são outras das medidas defendidas pelo Conselho de Ilha da Graciosa, que quer ainda saber o que pretende o Governo Regional fazer no próximo e seguintes anos nas Termas do Carapacho.

Já na Agricultura e Florestas, esta entidade considera ser necessário um incremento do programa de desratização, a criação de um corpo técnico de apoio à Adega e Cooperativa da ilha, para atuar “de forma pró-ativa no apoio à produção, transformação e venda dos produtos agrícolas tradicional”, e a elaboração de um programa para a utilização da terra abandonada.

A visita do Governo Regional à Graciosa, que termina na quarta-feira, cumpre o Estatuto Político-Administrativo dos Açores, segundo o qual o executivo regional deve visitar cada uma das ilhas do arquipélago pelo menos uma vez por ano e que o Conselho do Governo reúna na ilha visitada.

A ilha Graciosa é a segunda ilha mais pequena dos Açores, depois do Corvo, e uma das cinco que compõem o grupo central do arquipélago, onde se incluem Terceira, São Jorge, Pico e Faial.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.