Conferência internacional tenta reunir fundos para combater a droga


 

Lusa/Ao online   Nacional   19 de Dez de 2007, 05:49

Lisboa acolhe hoje uma conferência internacional sobre o narcotráfico na Guiné-Bissau, iniciativa que visa reunir os fundos necessários para prevenir e combater o tráfico de droga e promover o Estado de Direito e a efectiva administração da Justiça.
Em causa está a falência da Guiné-Bissau para combater o tráfico de droga, sobretudo cocaína, que provém da América Latina e passa pelo se território com destino à Europa.

    A estratégia de combate ao narcotráfico na Guiné-Bissau orça em 19,12 milhões de dólares (13,27 milhões de euros) e está delineada no Plano Operacional, elaborado pelo Escritório da ONU contra as Drogas e o Crime (ONUDC).

    Para o primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Martinho Dafa Cabi, que lidera uma delegação de vários ministros e responsáveis judiciais do seu país na conferência, o executivo de Bissau está já a aplicar "tolerância zero" no combate ao narcotráfico, mas sem ajuda financeira internacional esses esforços redundarão em fracasso.

    Além da falta de meios humanos, devidamente preparados, e materiais, designadamente viaturas e prisões adequadas à detenção dos narcotraficantes, a Guiné-Bissau debate-se ainda com a quase completa liberdade de movimentos de grupos de narcotraficantes latino-americanos.

    Para garantir a execução da estratégia constante do Plano Operacional elaborado pela ONUDC, o parlamento guineense deverá aprovar ainda hoje várias convenções do Direito Internacional, nomeadamente no âmbito do combater a narcotráfico.

    Sem a aprovação destas convenções, a Guiné-Bissau pode não reunir as condições necessárias para receber o apoio financeiro que hoje estará em debate na conferência de Lisboa.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.