Confederação de reformados exige alteração das regras de atualização de pensões

Confederação de reformados exige alteração das regras de atualização de pensões

 

Lusa/AO Online   Economia   27 de Dez de 2016, 18:20

A Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos/MURPI exigiu hoje a alteração das regras de atualização das pensões, considerando que, em 2017, "só o aumento extraordinário das pensões permitirá repor o poder de compra".

 

Em comunicado, o MURPI sustenta que as regras de atualização anual de pensões "são desadequadas e injustas".

Segundo a confederação, embora a atualização de 0,5 por cento do valor, para 2017, contemple mais pensões, as de montante até 844 euros, ela é "insuficiente e penalizadora".

O MURPI entende que a alteração das regras de atualização anual das pensões deve contemplar "a justa fixação dos valores das pensões para níveis compatíveis com padrões de vida digna".

A nota salienta que o aumento extraordinário das pensões, a partir de agosto, de acordo com o Orçamento do Estado 2017 (OE2017), "não abrangeu milhares de reformados, que continuam a ser fortemente penalizados pelo congelamento das suas pensões".

A medida prevista no OE2017, assinala o MURPI, engloba 2,8 milhões de reformados e pensionistas, e traduz-se num aumento de 10 euros, para pensões até 632 euros, e de 6 euros, para "pensões mínimas que tiveram ligeiros aumentos entre 2011 e 2015".

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.