Companhias aéreas querem controlo de passageiros mais rápido e menos taxas

Companhias aéreas querem controlo de passageiros mais rápido e menos taxas

 

Lusa/AO online   Internacional   6 de Mar de 2018, 15:56

As principais companhias aéreas da União Europeia (UE) reclamaram hoje menos impostos e mais investimento público para o setor, com aeroportos mais eficientes em vez de obras de arquitetura que aumentam as tarifas.

"Os nossos clientes querem menos palácios de mármore", declarou o presidente da companhia aérea irlandesa de baixo custo Ryanair, Michael O'Leary, na reunião anual da associação europeia Airlines for Europe (A4E), que reúne 15 companhias aéreas que representam 75% do tráfego de passageiros na UE, incluindo a TAP.

O'Leary criticou "os aeroportos que tomam decisões sem consultar as companhias aéreas" e cobram por novas infraestruturas, o que acaba por refletir-se nos custos das tarifas aplicadas aos passageiros.

Segundo a agência Efe, o presidente da Ryanair atacou também a cultura de monopólio dos aeroportos em "muitas cidades", apontando Lisboa, Amesterdão ou Varsóvia, onde, na sua opinião, se impede que surjam aeroportos secundários que tornariam o setor mais competitivo.

As companhias aéreas lançaram também um apelo para que até ao verão se consiga uma maior fluidez nos postos de controlo fronteiriço dos aeroportos, uma vez que o reforço das regras de controlo de identidade e a insuficiência de meios levaram a "um aumento de 300%" do número de atrasos em voos no ano passado, disse Thomas Reynaert, diretor da associação.

"Com o período estival muito preenchido a aproximar-se, temos de aprender com a experiência inaceitável do ano passado, em particular nas fronteiras europeias", afirmou Thomas Reynaert, presidente da associação.

As companhias aéreas reclamam mais investimento em sistemas de controlo automático de passaportes e mais pessoal.

Outra das exigências passa pela eliminação de 6.000 milhões de euros em taxas que os passageiros pagaram em 2017, o que para o presidente da britânica easyJet, Johan Lundgren, aumentaria a atividade económica e permitira criar empregos.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.