Comissões voltam a exigir suspensão do processo relativo à introdução de portagens


 

lusa   Nacional   26 de Jun de 2010, 15:27

O movimento de utentes contra as portagens nas Scut exigem que o processo relativo a esta matéria seja “suspenso”.

Além disso, solicitam ainda ao Governo que “inicie um novo diálogo (negociação) com comissões, autarquias e entidades envolvidas” nesta questão.

Esta foi uma das conclusões de mais um encontro entre os representantes deste movimento que, esta manhã, voltou a reunir na Póvoa de Varzim e a reiterar que “vai manter a luta” contra a intenção de o Governo portajar estas vias que, inicialmente, não previam custos para os seus utilizadores.

José Rui Ferreira, porta voz deste grupo, congratulou-se com o facto de os partidos da oposição terem aprovado a “revogação da obrigatoriedade de instalação de dispositivos eletrónicos de matrícula (chips) nos veículos, inviabilizando a introdução de portagens”.

“Esta foi uma vitória deste movimento”, disse José Rui Ferreira ao mesmo tempo que sublinhava que esta decisão da Assembleia da República “deve ser respeitada”.

Nesta altura, “não há condições para impor a instalação de portagens nas Scut”, disse ainda o porta voz.

Os representantes das comissões pedem ainda a “todos os partidos” que se manifestem contra a introdução de portagens nas Scut a 09 de julho, dia em que esta questão vai ser debatida no Parlamento.

Caso a cobrança pela utilização das Scut na região do Norte Litoral, Grande Porto e Costa da Prata venha mesmo a entrar em vigor já a partir do próximo dia 01 de julho, José Rui Ferreira vê esta postura como um “desrespeito pela Assembleia da República e uma verdadeira provocação contra as pessoas que utilizam aquelas vias”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.