Combate ao extremismo deve recorrer a "medidas de segurança não tradicionais"

Combate ao extremismo deve recorrer a "medidas de segurança não tradicionais"

 

Lusa/AO online   Internacional   27 de Out de 2015, 16:48

O rei de Espanha, Felipe VI, considerou em Madrid, numa conferência internacional sobre o extremismo violento, que o combate ao fenómeno deve assentar "em medidas de segurança não tradicionais", bem como "ações concertadas de política externa".

Felipe VI falava na abertura do "Diálogo político Madrid+10 sobre Prevenção e Luta contra o Extremismo Violento" - que decorre hoje e quarta-feira na capital espanhola com a presença de 200 especialistas de todo o mundo, o primeiro-ministro tunisino, Habib Essed, bem como 40 ex-chefes de Governo e ex-Presidentes.

O chefe de Estado espanhol recordou que o fenómeno da radicalização violenta não está contido às fronteiras nacionais, pelo que implica "novas respostas" e um "amplo consenso global", mas sempre respeitando os valores democráticos.

Nesse sentido, recordou as conclusões da "Agenda de Madrid" - que nasceu na conferência antiterrorismo realizada na capital espanhola em 2005 - nomeadamente quando indicava que a ação policial e militar não é suficiente para prevenir os conflitos que fomentam o terrorismo.

Assim, propôs a adoção de uma estratégia com "medidas de segurança não tradicionais, ações concertadas de política externa e a incorporação de atores fundamentais na prevenção do extremismo violento", ou seja: os jovens, as mulheres, as famílias e as comunidades locais.

Ainda assim, sublinhou que é imperativo "enfrentar a radicalização e o extremismo violento no quadro do respeito pelos valores democráticos e o Estado de Direito", e com uma visão "que inclua os princípios sobre os quais possam assentar sociedades mais pacíficas e inclusivas".

Felipe VI também alertou quanto à forma como algumas sociedades se habituaram a encarar estes fenómenos como riscos longínquos.

"Hoje, novas formas de radicalização e extremismo ultrapassam as fronteiras nacionais, adquirem por vezes base territorial própria e ameaçam as nossas sociedades, minando os direitos humanos", disse o rei espanhol, sublinhando que "não existe apenas um risco externo ou longínquo, mas sim um risco sério no seio das sociedades" ocidentais.

Assim, deixou um apelo aos participantes do fórum - que na quarta-feira recebe o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon - para que redobrem o trabalho no sentido de "conseguir um novo consenso com vista a combater, com a maior eficácia possível o extremismo, a radicalização e a violência", fenómenos que "lastram o futuro de uma humanidade que procura a concórdia e a paz".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.