Comandante dos bombeiros de Ponta Delgada despedido com justa causa

Comandante dos bombeiros de Ponta Delgada despedido com justa causa

 

Lusa/AO online   Regional   18 de Nov de 2014, 15:04

O comandante dos bombeiros de Ponta Delgada foi despedido com justa causa, disse fonte da corporação, acrescentando que estão já reunidas as assinaturas para uma assembleia-geral extraordinária de sócios com vista à destituição da direção.

Em causa está um conflito entre o agora despedido comandante da corporação, Emanuel Sousa, e o presidente da direção dos bombeiros de Ponta Delgada, Vasco Garcia, que se arrasta há vários meses.

Em julho, cerca de cinquenta bombeiros organizaram mesmo uma concentração em parada em solidariedade com o comandante, tendo então aqnunciado que apenas fariam missões de socorro em situações urgentes, como forma de protesto, até Vasco Garcia se demitir.

Meses depois, dez bombeiros, cinco dos quais tinham estado nessa concentração de julho, receberam uma “nota de culpa”, tendo os processos disciplinares culminado, na segunda-feira à tarde, com a suspensão dos bombeiros por períodos que oscilam entre os cinco e os 30 dias e repreensões por escrito, à exceção do comandante Emanuel Sousa, que foi despedido com justa causa e sem direito a indemnização, segundo disse fonte da corporação à agência Lusa.

“Apesar destas represálias, o pessoal continua unido”, declarou a mesma fonte, que frisou que todos os bombeiros vão recorrer do resultado dos processos disciplinares, estando, por outro lado, já na posse das cem assinaturas necessárias de sócios para convocar uma assembleia-geral extraordinária, com o objetivo de destituir Vasco Garcia.

Ainda de acordo com a mesma fonte, Emanuel Sousa foi já substituído pelo segundo comandante da corporação dos bombeiros de Ponta Delgada, João Moniz, tendo o primeiro pedido ao Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores a sua suspensão, para preparar a sua defesa no âmbito do recurso judicial que vai apresentar ao tribunal do trabalho.

A Lusa tentou contactar, sem êxito, Emanuel Sousa e Vasco Garcia, assim como o advogado da direção dos bombeiros.

Em outubro, o advogado da direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ponta Delgada, Pedro Gomes, declarou à Lusa que os elementos da corporação que receberam uma nota de culpa “violaram” os seus deveres laborais.

Entretanto, a Antena 1/Açores, que avançou com a notícia do despedimento de Emanuel Sousa, noticiou ainda que está em marcha junto do tribunal administrativo um pedido de providência cautelar que visa afastar o presidente da direção dos bombeiros de Ponta Delgada.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.