Colunista do Charlie Hebdo diz que jornal sairá na próxima semana


 

Lusa/AO online   Internacional   8 de Jan de 2015, 11:10

Um colunista do Charlie Hebdo, Patrick Pelloux, afirmou que o jornal satírico será publicado na próxima semana, depois de um ataque terrorista na quarta-feira ter matado oito dos seus jornalistas e desenhadores.

 

“Vamos continuar, decidimos sair na próxima semana. Estamos todos de acordo”, indicou Pelloux à agência France Presse, adiantando que a equipa do jornal se deve reunir em breve.

Pelloux, que é também médico de emergências, disse que os escritórios do semanário não estão acessíveis devido à investigação policial, mas assegurou: “Vamos trabalhar em casa, vamos arranjar-nos”.

“É muito duro, estamos todos com a nossa pena, a nossa dor, os nossos medos, mas vamos fazê-lo porque não é a estupidez que vai ganhar. Charb (diretor da publicação, morto na quarta-feira no atentado) dizia sempre que o jornal deveria sair custasse o que custasse”, disse ainda.

Doze pessoas, entre as quais cinco dos principais caricaturistas do Charlie Hebdo (Charb, Wolinski, Cabu, Tignous e Honoré) e o economista Bernard Maris, foram mortas na quarta-feira no ataque aos escritórios do jornal, no centro de Paris.

O atentado, o mais mortífero dos últimos 50 anos em França, provocou uma vaga de emoção e de solidariedade, nomeadamente nos media que já propuseram ajuda ao Charlie Hebdo.

Em 2011, quando os escritórios do semanário foram incendiados, presumivelmente em represália pela publicação de caricaturas do profeta Maomé, o diário Libération acolheu a redação do jornal satírico.

Fortemente afetado pelo ataque, o Charlie Hebdo já estava ameaçado de falência: deficitário, vende em média cerca de 30.000 exemplares e lançou recentemente um apelo para doações contra o seu desaparecimento.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.