Cientistas e políticos alertam para intervenção urgente na Antártida

Cientistas e políticos alertam para intervenção urgente na Antártida

 

Lusa/AO online   Ciência   6 de Ago de 2014, 17:32

Cientistas e decisores políticos de 22 países alertam para a necessidade de uma "intervenção urgente" na Antártida, num artigo a publicar na quinta-feira na revista 'Nature', anunciou a Universidade de Coimbra (UC).

Por iniciativa do Scientific Committee on Antarctic Research [Comité Científico para a Investigação Antártica], 75 cientistas e decisores políticos reuniram-se, em abril, para definirem “as prioridades científicas para os próximos 20 anos” na região, que tem revelado “sinais de mudanças ambientais bastante rápidas e profundas”.

Esta foi “a primeira vez que a comunidade Antártica internacional formulou uma visão coletiva, através de discussões, debates e votações”, salienta a UC, numa nota divulgada hoje.

“As principais áreas de intervenção para as próximas duas décadas” definidas no encontro, em que participou o cientista José Xavier, do Instituto do Mar da UC, “vão ser publicadas amanhã [quinta-feira]”, na “prestigiada revista” ‘Nature’, adianta a mesma nota.

Partindo de “inúmeras questões e problemáticas, os cientistas selecionaram 80 temas repartidos por seis grandes áreas científicas: definir o alcance global da atmosfera da Antártida e do Oceano Antártico; compreender como, onde e porquê a camada de gelo que se encontra na Antártida (ice sheet) perde massa; revelar a história da Antártida; aprender sobre como a vida na Antártida evoluiu e sobreviveu; observar o espaço e o universo; e reconhecer e mitigar a influência humana”.

O que se está a passar na Antártida, “como o degelo, mudanças da circulação do oceano e a recuperação da camada de ozono”, tem “consequências globais” no clima, no nível da água do mar, na biodiversidade e na sociedade, alerta José Xavier, citado pela UC.

“Foi excelente reunir alguns dos melhores especialistas do mundo para definir as áreas estratégicas de investigação”, reconhece o coautor do artigo a publicar na ‘Nature’.

“Concluímos que existem ainda muitas questões científicas importantes por responder”, salienta o cientista do Instituto do Mar da UC, que naquela reunião coordenou a sessão que se deteve sobre a vida no Oceano Antártico e Ecologia (Southern Ocean Life & Ecology).

É essencial “perceber, por exemplo, quais as espécies que nos podem levar a compreender o funcionamento do Oceano Antártico, que espécies poderão extinguir-se no futuro próximo e como as alterações climáticas afetam, e poderão afetar, as pescas no Oceano Antártico”, sustenta o cientista.

É fundamental, para abordar estas questões levantadas pela comunidade internacional, que se desenvolvam “esforços internacionais coordenados de modo a maximizar o retorno científico enquanto se reduz o impacto humano”, defende o investigador da UC.

“Para Portugal, país que possui um pequeno grupo de equipas que fazem ciência nas regiões polares, isso faz todo o sentido”, conclui José Xavier.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.