Cidade do Cabo adia 'Dia Zero' da falta de água das torneiras de abril para junho

Cidade do Cabo adia 'Dia Zero' da falta de água das torneiras de abril para junho

 

Lusa / AO online   Internacional   13 de Fev de 2018, 12:48

A cidade sul-africana da Cidade do Cabo conseguiu adiar até junho o prazo para se esgotarem as suas reservas de agua, graças a uma intensa redução do consumo, adiantaram hoje as autoridades do país, noticiou a EFE.


A localidade turística da África do Sul conta agora com mais dois meses de margem até que a maioria da população fique sem água, adiando mais uma vez o 'Dia Zero', apontado para abril, como o primeiro dia em que os sul-africanos não teriam água nas torneiras.

"Celebramos juntos a notícia de que o 'Dia Zero' foi empurrado para 04 de junho de 2018 como resultado do consumo médio mais baixo até ao momento, de 529 milhões de litros por dia, durante a semana passada", anunciou hoje Mmusi Maimane, líder do partido da oposição Alianza Democrática, o qual governa a região do Cabo Ocidental.

O líder partidário disse ainda saber que "para muitos residentes em blocos de apartamentos ou áreas elevadas já houve interrupções significativas resultantes do esforço de redução da pressão de água da cidade".

"Sabemos que é um grande inconveniente e pedimos aos residentes que continuem a informar-nos das suas queixas para que possam ser resolvidas", acrescentou.

As autoridades sul-africanas proclamaram hoje o estado de catástrofe natural em todo o país devido à seca histórica que assola a África do Sul há vários meses a região da Cidade do Cabo, ameaçada de ficar sem água potável.

Segundo a AFP, a decisão, publicada hoje, foi tomada depois de uma "reavaliação da amplitude e da gravidade da seca atual", e confia a partir de agora a gestão da crise ao Governo.

Todas as instituições sob alçada do Estado estão, daqui em diante, mandatadas para pôr em prática "os planos de emergência, a ajuda imediata e as medidas de construção" necessárias, segundo o decreto assinado pelo chefe do Centro Nacional de Gestão de Situações de Emergência, Mmaphaka Tau.

A Cidade do Cabo, a segunda maior da África do Sul, está a ser assolada pela pior seca no último século, estando as reservas de água de tal forma baixas que se prevê que as torneiras fiquem secas.

As autoridades sul-africanas tinham apontado o dia 11 de abril como o 'Dia Zero', o primeiro dia em que faltaria água nas torneiras, tendo depois adiado a estimativa para dia 16 do mesmo mês.

O adiamento deve-se ao declínio no uso de água para fins agrícolas, porque muitas quintas nalgumas províncias, que incluem a própria cidade, escolheram usar as reservas que lhes foram alocadas em vez de usar água corrente.

As autoridades avisaram os habitantes para, ainda assim, continuarem a cumprir as indicações oficiais, que limitam o uso de água a 50 litros por pessoa.

Se o 'Dia Zero' se concretizar os habitantes da Cidade do Cabo deverão abastecer-se nos 200 pontos de recolha de água, onde podem receber, no máximo, 25 litros de água por dia por cada pessoa.

A grave seca que assola a zona é um fenómeno invulgar, já que não só deriva da escassez de precipitação que caracterizou a passada estação de chuvas (abril-outubro), como de o nível de chuva ter sido particularmente baixo também nos dois anos anteriores.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), só num duche de cinco minutos, gastam-se cerca de 100 litros de água.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.