China aconselha Trump a recorrer à OMC para resolver disputas

China aconselha Trump a recorrer à OMC para resolver disputas

 

Lusa/Açoriano Oriental   Internacional   9 de Dez de 2016, 11:06

A China defendeu as suas práticas comerciais, perante novas críticas do Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, considerando que ambos os países deviam recorrer à Organização Mundial do Comércio (OMC) para resolver disputas.

 

"A China cumpre com as regras (…) se ainda assim há fricções comerciais, então a China e os EUA, como as duas maiores economias do mundo, e ambos membros da OMC, podem recorrer aos mecanismos da OMC para resolver os seus problemas", disse hoje Lu Kang, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês.

Lu reagia assim aos últimos comentários de Trump, que acusou o país asiático de "não respeitar as regras do jogo" e ser "responsável por quase metade" do défice comercial dos EUA.

"A China é responsável por quase metade do nosso défice comercial e a China não é uma economia de mercado. Eles não respeitam as regras do jogo e chegou o momento de o fazerem. Terão que o fazer", disse o magnata.

Para Trump, a China tem "uma dívida imensa para com a propriedade intelectual", "impõe impostos injustos" às empresas norte-americanas e "não ajuda com a Coreia do Norte como deveria".

Pequim "não respeita as regras do jogo, ao desvalorizar a sua moeda e praticar ‘dumping' (venda a preço inferior ao de custo)", acusou.

Questionado sobre estas declarações, o porta-voz chinês sublinhou que a cooperação económica entre as duas potências "cresceu muito" nos últimos anos, e que isso só terá sido possível existindo um "benefício mútuo".

"China e Estados Unidos têm muitos interesses comuns, muito em que podem cooperar, mas também diferenças", notou Lu.

Sobre a forma como a China lida com Pyongyang, o porta-voz destacou a contribuição do seu Governo para solucionar o problema, e insistiu que a China está comprometida com a desnuclearização da Coreia do Norte e a paz e estabilidade na região.

"Os nossos esforços são bem conhecidos", disse.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.