Chefe do Estado-Maior do Exército admite fuga de informação em roubo de Tancos


 

AO/Lusa   Nacional   1 de Jul de 2017, 14:18

O chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, reconheceu hoje que quem roubou o material de guerra do quartel de Tancos tinha "conhecimento do conteúdo dos paióis" e admitiu a possibilidade de fuga de informação.

 

"Para haver algo deste género tem de haver informação interna", assumiu, em declarações à SIC, acrescentando que, além da investigação conduzida pela Polícia Judiciária Militar e pela Polícia Judiciária, vai decorrer um inquérito no Exército para apuramento de eventuais responsabilidades.

Rovisco Duarte disse que o roubo ocorreu numa zona cuja vedação ainda não tinha sido reforçada com material mais resistente, no âmbito das medidas de melhoria da segurança das instalações militares.

Segundo o chefe do Estado-Maior do Exército, "estes roubos podem acontecer em qualquer país e em qualquer Exército, desde que haja vontades e capacidades".

O Exército revelou na sexta-feira que entre o material de guerra roubado na quarta-feira dos Paióis Nacionais de Tancos estão "granadas foguete anticarro", granadas de gás lacrimogéneo e explosivos, mas não divulgou quantidades.

Rovisco Durte sublinhou que o material de guerra roubado foi selecionado por quem tinha "conhecimento do conteúdo dos paióis".

Face ao incidente, a segurança foi reforçada nos paióis com "o aumento de efetivos" e com "patrulhas mais robustas", assinalou, referindo que "não se permite ajuizar" sobre a falta de funcionamento do sistema de videovigilância do quartel, parado há dois anos.

O chefe do Estado-Maior do Exército frisou que os planos de segurança e vigilância foram cumpridos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.