CGTP promove semana de luta em todo o país contra posição do Governo

CGTP promove semana de luta em todo o país contra posição do Governo

 

Lusa/AO Online   Economia   12 de Dez de 2011, 06:37

A CGTP inicia hoje uma semana de luta contra o aumento do horário de trabalho e em defesa do emprego, com iniciativas em todo o país, prometendo “sinais muito fortes” contra a posição do Governo.

“Estamos num mês em que os nossos valores culturais têm grande significado, um mês em que se planeia o futuro, em que se fazem projetos de vida para o ano seguinte e os projetos que os portugueses podem fazer estão muito limitados”, avançou à Lusa o secretário-geral da CGTP-IN.

De acordo com Carvalho da Silva, “a situação atual obriga a estar mobilizado e a fazer uma intervenção forte”, adiantando que a semana de luta, que decorre até dia 17, pretende “dar sinais muito fortes, por exemplo, em relação ao alargamento do horário de trabalho”.

O Governo aprovou na passada quarta-feira, em conselho de ministros, uma proposta de lei que “estabelece um aumento excecional e temporário dos períodos normais de trabalho de trinta minutos ou de duas horas e trinta minutos por semana”, uma medida que “é aplicável durante a vigência do Programa de Assistência Económica e Financeira a Portugal”.

No mesmo dia, a CGTP-IN considerou a decisão do Governo “uma declaração de guerra aos trabalhadores que não ficará sem resposta”, prometendo desenvolver “todas as ações de luta necessárias, desde logo a partir dos locais de trabalho, contra o aumento do horário de trabalho e o trabalho gratuito”.

A estrutura sindical classificou a aprovação da proposta de lei como “uma posição de má fé do Governo”, que “diz-se defensor da negociação, mas quer impor, unilateralmente, a revogação de uma matéria que foi negociada e acordada, livremente, entre as partes sindical e patronal, no âmbito da negociação da contratação coletiva”.

“Vamos dizer claramente que, perante a dimensão de ilegalidade da posição do Governo, todos os atos que os trabalhadores possam vir a desencadear são utilizáveis”, declarou.

A semana arranca hoje com a entrega da petição pela defesa do Poder Local Democrático, contra a redução de autarquias e de trabalhadores, na Assembleia da República, assinalando o 35.º aniversário das primeiras eleições autárquicas realizadas em Portugal após o 25 de Abril de 1974.

Ainda hoje, a CGTP-IN promove uma tribuna pública, com trabalhadores da empresa “Bonvida”, em processo de insolvência, promovida pela União dos Sindicatos de Leiria, às 10:30, junto à Câmara Municipal da Batalha.

Na terça-feira, o protesto prossegue em Guimarães, que, segundo Carvalho da Silva, “é um espaço geográfico com muito significado na luta dos trabalhadores pelo horário de trabalho ao longo de todo o século XX”, e, por isso, com grande simbolismo no contexto atual, considerando as alterações aprovadas “um retrocesso ao século XIX”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.