CGTP afirma que semana de luta não põe em causa o Governo

CGTP afirma que semana de luta não põe em causa o Governo

 

Lusa/AO Online   Economia   13 de Mai de 2016, 13:07

O secretário-geral da CGTP afirmou hoje que a semana de luta nacional, que começa na segunda-feira, não pretende pôr em causa o Governo, mas dar força aos compromissos assumidos pelo executivo, nomeadamente, a reposição das 35 horas.

 

Arménio Carlos, que falava em conferência de imprensa em Lisboa para anunciar o roteiro da semana nacional de ação e luta promovida pela CGTP, que será marcada por centenas de plenários, quer no setor público, quer no privado, concentrações e uma manifestação nacional da Função Pública na próxima sexta-feira, em Lisboa, assegurou que "o objetivo não é pôr em causa o Governo".

"Consideramos que esta manifestação, tal como outras iniciativas, não têm como finalidade pôr em causa o Governo, pelo contrário. O grande objetivo é dar força à concretização de um compromisso que foi assumido que é o da reposição das 35 horas que, neste momento, está a ser questionado, quer internamente, pelas forças mais retrógradas, quer externamente, pela Comissão Europeia e outras entidades", disse o líder da central sindical.

O sindicalista considerou que "a resposta que os trabalhadores da Função Pública vão dar na próxima sexta-feira é a resposta adequada de que os compromissos são para cumprir e que estão disponíveis para fazer tudo, com todos aqueles que estão sintonizados com a concretização da reposição das 35 horas, para obstaculizar às pressões externas ou internas que se venham a verificar para impedir que aquilo que é um dos direitos dos trabalhadores venha a ser concretizado".

Esta semana de luta a nível nacional, anunciada pelo líder da Inter no Dia do Trabalhador e com o lema "Defender, Repor, Conquistar Direitos", destina-se a reivindicar o aumento de salários, o emprego com direitos, a dinamização da contratação coletiva e as 35 horas de trabalho semanal para os trabalhadores dos setores público e privado.

As 35 horas no setor público entram em vigor a 01 de julho, conforme prometeu o Governo de António Costa. Já no setor privado, o executivo não se compromete.

No entanto, a CGTP vai continuar a reivindicar as 35 horas no setor privado, apesar da discordância das confederações patronais.

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.