Inquérito/Banif

CGD sem capacidade para absorver banco

CGD sem capacidade para absorver banco

 

Lusa/AO Online   Economia   21 de Jun de 2016, 19:19

A Comissão Europeia considera que as recentes notícias sobre as necessidades de capital da Caixa Geral de Depósitos (CGD) parecem demonstrar a sua incapacidade para absorver o Banif em dezembro sem injeção de capital público.

 

"A Comissão deu conta das atuais notícias sobre as grandes necessidades de capital da CGD, numa base individual. Isto parece confirmar a visão dos serviços da Comissão em dezembro de que a CGD não teria capacidade para absorver e reestruturar as operações do Banif", lê-se nas respostas dadas por Bruxelas à comissão parlamentar de inquérito.

O documento de 59 páginas, a que a agência Lusa teve acesso, chegou hoje aos deputados que integram os trabalhos desta comissão.

Tal como indicou a Comissão Europeia nas suas respostas, no final do ano passado, antes da resolução do Banif, o Governo português sugeriu a possibilidade deste banco ser fundido com a CGD, uma solução que não recebeu ‘luz verde’ de Bruxelas.

"A Comissão realçou que a CGD estava sujeita a um processo de reestruturação em curso que visava o seu regresso à viabilidade e continuava a gerar prejuízos por si própria", justificou o executivo comunitário, vincando ainda que o banco estatal português estava impedido de fazer aquisições de outras entidades bancárias devido à injeção de capital que foi alvo em 2013.

"O impedimento de fazer aquisições serve um duplo propósito: proteger os concorrentes do banco apoiado com fundos públicos de estratégias de expansão agressivas, e proteger o próprio banco de seguir modelos de negócio agressivos e insustentáveis", sublinhou Bruxelas, vincando que este impedimento está em vigor até ao final do período de reestruturação, em 31 de dezembro de 2017.

A ‘comissão Juncker' apontou ainda para o facto de o banco público não ter conseguido alcançar as metas a que se propôs no seu plano de reestruturação, algo que levou na altura os serviços da comissão "a questionar a capacidade de a CGD integrar o Banif de forma a corrigir rapidamente as deficiências operacionais" do banco que acabou por ser alvo de uma medida de resolução.

"Os serviços da Comissão consideraram provável que a CGD precisasse de capital adicional para concretizar a aquisição do Banif, uma vez que o Banif estava a deixar de cumprir os requisitos de capital e não mostrava capacidade para ser viável", destacou.

E assinalou: "Se a CGD recebesse mais capital (na forma de auxílio estatal) para integrar o Banif, isto teria espoletado a resolução da própria CGD, segundo as regras da Diretiva da Recuperação e Resolução Bancária".

A CGD tem estado no centro do debate político e o PSD e o CDS-PP assinaram na segunda-feira o texto que pede a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito, que pretendem que tenha início no final de julho, numa altura em que se discute a recapitalização do banco público, com a imprensa a referir valores que podem ascender a 4.000 milhões de euros.

No entanto, o valor da injeção de capital ainda não é conhecido formalmente e estão ainda a decorrer negociações entre o Governo e a Comissão Europeia.

Em 2015, o banco teve 171,5 milhões de euros de prejuízos.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.