Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos é o mais visitado dos Açores

Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos é o mais visitado dos Açores

 

LUSA/AO online   Regional   29 de Mai de 2017, 15:12

O Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos, na ilha do Faial, é o mais visitado dos Açores, tendo recebido em 2016 cerca de 35.500 turistas e em nove anos mais de 200 mil visitantes, foi hoje anunciado

"O Centro de Interpretação dos Vulcão dos Capelinhos recebeu, em menos de nove anos, mais de 200 mil visitantes", disse o diretor Regional do Ambiente, Hernâni Jorge, adiantando que "só no ano de 2016, bateu todos os recordes de visitação", com 35.469 visitantes registados.

Hernâni Jorge, que tutela os parques naturais dos Açores, falava na Horta, na apresentação das comemorações dos 60 anos da erupção do vulcão dos Capelinhos, que vão decorrer de 27 de setembro próximo a 24 de outubro de 2018.

Segundo o responsável, aqueles números "dão bem nota da relevância e da importância desta infraestrutura", sobretudo em termos económicos, numa ilha que possui apenas 15 mil habitantes, menos de metade dos visitantes anuais do Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos.

"É diferente ter 35 mil visitantes num centro de interpretação na ilha do Faial do que ter 35 mil visitantes num centro de interpretação ou equipamento equivalente noutra ilha de maior dimensão ou até num espaço urbano com muito mais população do que temos na ilha do Faial", sublinhou o responsável.

Uma das razões apontadas para o sucesso do Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos reside na “singularidade do projeto”, da autoria do arquiteto Nuno Lopes, atual diretor Regional da Cultura.

O edifício, construído em betão armado, junto às ruínas do farol dos Capelinhos, está parcialmente submerso pelas cinzas do vulcão, que entrou em erupção no mar, a pouco mais de um quilómetro da costa, na freguesia do Capelo.

A estrutura é para o diretor regional do Ambiente "o melhor equipamento do género" nos Açores e foi considerada em 2010 como um dos melhores projetos cofinanciados pela União Europeia e nomeado, em 2012, para melhor museu da Europa.

Hernâni Jorge adiantou que o Governo Regional vai efetuar no próximo ano "um grande investimento nesta estrutura", com vista a melhorar as condições de exposição e de atendimento, estando prevista ainda em 2017 a aprovação de um novo regulamento de acesso aos trilhos associados ao vulcão.

Apesar do aumento da procura pelo Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos, o presidente da Câmara da Horta, José Leonardo Silva, considerou que é necessário investir mais nas acessibilidades à ilha do Faial.

"Temos de melhorar as acessibilidades à ilha do Faial. Temos todos de fazer um esforço nesse sentido. A câmara tem feito o seu trabalho, tem pressionado, mas é preciso fazer esse trabalho, porque o vulcão dos Capelinhos também está ligado ao turismo, realçou o autarca socialista.

Sem dirigir as críticas a nenhuma entidade em particular, José Leonardo referia-se às ligações aéreas da transportadora açoriana SATA entre Lisboa e a ilha que, no seu entender, devem ser reforçadas no verão, e também à ampliação da pista do aeroporto da Horta.

As comemorações dos 60 anos do vulcão dos Capelinhos incluem exposições, lançamento de livros e selos, homenagens e um concurso multiartes alusivo à erupção.

O Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos foi inaugurado em agosto de 2008. A erupção começou a 27 de setembro de 1957 e terminou a 24 de outubro do ano seguinte.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.