"Célula terrorista" desmantelada na Tunísia


 

Lusa/Açoriano Oriental   Internacional   4 de Jan de 2017, 13:52

Uma "célula terrorista" com 13 membros que tinha "reuniões secretas numa mesquita" e recrutava jovens para grupos 'jihadistas' foi desmantelada na terça-feira perto de Sousse (leste), indicou o Ministério do Interior tunisino.

 

Trata-se do sétimo anúncio do tipo feito pelas autoridades em menos de uma semana na Tunísia, onde é atualmente intenso o debate sobre a ameaça terrorista.

Segundo as autoridades, mais de 70 presumíveis ‘jihadistas’ foram detidos desde 25 de dezembro.

O comunicado do Ministério do Interior indica que as 13 pessoas detidas na terça-feira em Hergla, a norte de Sousse, têm entre 22 e 43 anos e confessaram ter recrutado e enviado “12 jovens para zonas de tensão”, numa referência à Síria, Iraque ou Líbia.

Adianta que os suspeitos admitiram ainda estar envolvidos com um líder da falange Okba Ibn Nafaâ, um grupo ligado à Al-Qaida do Magrebe Islâmico sobretudo ativo nas montanhas do oeste do país.

Desde a sua revolução em 2011, a Tunísia contou com o surgimento de um movimento ‘jihadista’ responsável pela morte de mais de uma centena de soldados e polícias, mas também de duas dezenas de civis e de 59 turistas estrangeiros, segundo números oficiais.

O ritmo dos desmantelamentos de “células terroristas” no país acelerou-se nos últimos meses.

A Tunísia conta com cerca de 3.000 cidadãos nas fileiras de organizações ‘jihadistas’, segundo as autoridades, número que um grupo de trabalho da ONU calcula serem até 5.500.

A perspetiva de um retorno em massa daqueles terroristas é um debate que agita atualmente o país.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.