CDS/PP acusa SATA de esconder tarifas promocionais nas viagens aéreas

CDS/PP acusa SATA de esconder tarifas promocionais nas viagens aéreas

 

Lusa/AO Online   Economia   9 de Jun de 2010, 16:21

O presidente do Grupo Parlamentar do PP/Açores, Artur Lima, acusou hoje a transportadora aérea açoriana SATA de ter "políticas ocultas", prejudicando açorianos e potenciais turistas por não divulgar as tarifas promocionais.

Artur Lima, que também é o líder regional do CDS/PP, afirmou que a SATA e o Governo Regional dos Açores têm "medo de divulgar a existência de tarifas promocionais mais vantajosas para os açorianos".

“As tarifas da SATA são tarifas ocultas”, afirmou o dirigente popular numa conferência de imprensa em Angra do Heroísmo, na Terceira, acrescentando que a transportadora aérea "esconde propositadamente" essas tarifas.

Nesse sentido, explicou, está em vigor desde outubro uma nova tarifa com desconto de 20 por cento para famílias numerosas (mais de 5 pessoas), frisando que "recorrendo a uma agência de viagens ou mesmo ao sitio da SATA na Internet não existe qualquer informação que indique a existência desta nova tarifa".

Artur Lima concluiu, por isso, que a SATA e o executivo regional "não mostram interesse em promover esta tarifa".

Por outro lado, salientou que a tarifa promocional para estudante, que permite ligações mais baratas entre continente, Açores e Madeira, aprovada em novembro por proposta do PP/Açores no parlamento açoriano, é praticamente desconhecida numa altura em que está a terminar o ano letivo.

"Os açorianos não sabem, porque a SATA não quer, que têm ao seu dispor uma tarifa que permite aos jovens regressar nas férias por preços muito mais em conta", afirmou.

Nesta conferência de imprensa, Artur Lima criticou ainda o investimento da SATA em "publicidade estéril, que não traz qualquer informação aos açorianos" e defendeu a necessidade de corrigir tarifas desproporcionais, apontando o exemplo da viagem entre Flores e Ponta Delgada que pode custar 170 euros, ou seja, "muito mais do que a tarifa promocional praticada nas ligações Lisboa/Ponta Delgada".

Para inverter este quadro, o PP/Açores vai apresentar uma proposta no parlamento regional "para que as tarifas de residentes nas viagens inter-ilhas sejam limitadas a um preço máximo de 100 euros".

Artur Lima defendeu que é possível, com tarifas mais baratas, promover "a coesão social e económica das ilhas" e "potenciar o turismo quer dentro, quer de fora para dentro" da região.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.