CDS-PP/Açores questiona Governo Regional sobre voos de baixo custo para a ilha Terceira

CDS-PP/Açores questiona Governo Regional sobre voos de baixo custo para a ilha Terceira

 

Lusa/AO Online   Regional   4 de Fev de 2016, 15:28

O CDS-PP/Açores questionou hoje o secretário regional do Turismo e Transportes sobre as negociações que o governante disse ter mantido com companhias aéreas de baixo custo, no ano passado, para voarem para a ilha Terceira.

 

"Porque foram criadas expectativas aos terceirenses, por parte do secretário regional do Turismo e Transportes, quando disse que estava a negociar com ‘low cost’ e que não desistiria deste trabalho até ter efetivamente companhias de baixo custo a voar para a Terceira, importa que o Governo Regional preste todos os esclarecimentos sobre este processo", frisou o líder do CDS-PP, Artur Lima, numa conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo.

Em março de 2015, as rotas aéreas entre as ilhas de São Miguel e Terceira com o exterior da região foram liberalizadas, mas apenas a ilha de São Miguel passou a ter voos de companhias aéreas de baixo custo.

Em julho, o líder do PSD/Açores, Duarte Freitas, anunciou que a ilha Terceira passaria a ter voos ‘low cost' a "breve trecho", informação que foi confirmada pouco tempo depois pelo então ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Marques Guedes.

Na altura, também o secretário regional, Vítor Fraga (PS), disse que o executivo açoriano estava a trabalhar para que a chegada das ‘low cost' à Terceira fosse uma realidade "dentro de pouco tempo", enumerando cerca de duas dezenas de contactos mantidos, "desde setembro de 2014", com as companhias que já viajavam para São Miguel.

Passado quase um ano da liberalização do espaço aéreo, a ilha Terceira continua sem voos de baixo custo, segundo Artur Lima, por culpa das "declarações públicas precipitadas do PSD" e das declarações "irresponsáveis" do secretário regional, que disse ter mantido "contactos paralelos com outra companhia aérea".

"O que se passa é que uma birrinha entre PSD e PS fez com que houvesse um retrocesso nas negociações", salientou, alegando que as conversações entre o Ministério da Economia do anterior Governo e a companhia aérea EasyJet estavam "muito bem encaminhadas".

Num requerimento entregue hoje na Assembleia Legislativa dos Açores, os deputados do CDS-PP questionam o titular da pastas do Turismo e dos Transportes sobre o resultado das negociações com as companhias aéreas de baixo custo, sobre os "impedimentos" verificados para que as ligações à ilha Terceira não se tivessem iniciado e sobre as "contrapartidas" que o Governo estava disposto a ceder.

Por outro lado, os centristas perguntam ao executivo açoriano que diligências fez junto do atual Governo da República para apurar os motivos que o levaram a terminar as negociações que estavam a decorrer com a EasyJet.

Numa resposta a um requerimento dos deputados do PS na Assembleia da República, o atual ministro da Economia confirmou que não estavam em curso negociações relativas a rotas específicas para a ilha Terceira.

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.