CDS/PP-Açores quer manter oposição "construtiva" e "responsável"

CDS/PP-Açores quer manter oposição "construtiva" e "responsável"

 

Lusa / AO online   Regional   16 de Mar de 2017, 21:16

O líder do CDS/PP-Açores, Artur Lima, garantiu hoje que o seu partido pretende manter uma "postura construtiva, séria e responsável", apesar de ser oposição ao Governo Regional socialista.

 

"Não nos inibimos nunca de criticar o Governo e fizemo-lo com veemência quando foi preciso denunciar promessas por cumprir, investimentos por concretizar, reduções de verbas em áreas fulcrais para o desenvolvimento económico e social dos Açores", lembrou Artur Lima, no final do debate sobre o Plano e Orçamento do Governo para 2017, realizado na Horta.

Apesar disso, o dirigente centrista lembrou que o seu partido apresentou-se no debate sobre as propostas de Plano e Orçamento para 2017 e Plano de Médio Prazo 2017-2020, "sem uma posição pré-definida", mas com um conjunto de propostas, destinadas a melhorar aqueles documentos.

"No CDS queremos uma política com efeitos práticos para as pessoas, pelo que exercemos o poder da oposição, o poder de influência, o poder de alterar e melhorar as propostas do Governo", insistiu o dirigente do CDS-PP, acrescentando que essa é uma postura de "humildade" e não de "arrogância".

Artur Lima manifestou, no entanto, "estranheza" pelo facto de o Governo socialista dizer que o grande objetivo é o emprego, quando propõe reduzir em 200 mil euros as verbas destinadas às políticas de emprego e qualificação profissional.

"Faz-nos confusão vermos os principais setores produtivos - agricultura e pescas - a perder mais de 5,6 milhões de euros de investimentos, face ao último ano", adiantou Artur Lima, que entende também ser "má opção" cortar mais de um milhão de euros no setor do turismo.

O líder do CDS/PP-Açores lembra que os Açores apresentam indicadores sociais "dramáticos e preocupantes", mas lamenta que, apesar disso, o Plano e Orçamento para este ano, preveja um corte de seis milhões de euros na educação e de quatro milhões no desenvolvimento do sistema de saúde.

O dirigente centrista recordou, por outro lado, que este Plano e Orçamento contempla um "conjunto de medidas" propostas pelo CDS, entre as quais a diferenciação fiscal que beneficia os açorianos ao nível do IRS e do IVA.

"É, neste sentido, que apresentamos um conjunto de propostas de alteração ao Plano e Orçamento, visando colmatar necessidades das famílias e das empresas, contribuir para um melhor e mais humanizado Serviço Regional de Saúde, apoiar a iniciativa privada a gerar mais riqueza", sublinhou Artur Lima.

Uma das propostas que o CDS apresenta neste debate é a criação de um "plano urgente" para a realização de cirurgias extra, para o combate às listas de espera, a implementação do Orçamento Participativo da Região e o aumento, em 10 por cento, do Complemento Regional de Abono de Família para crianças e jovens.

O líder do CDS/PP-Açores não revelou, no entanto, qual será o sentido de voto do seu partido, em relação ao Plano e Orçamento para 2017, que serão votados na madrugada de sexta-feira, após três dias de debate.

O PSD e o PCP já anunciaram que vão votar contra o Plano e Orçamento, que tem aprovação garantida por parte da bancada da maioria socialista.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.