CDS/Açores acusa Governo Regional de não acautelar alternativas


 

Lusa/AO online   Regional   29 de Nov de 2012, 16:16

O CDS-PP/Açores acusou esta quinta-feira o Governo Regional de não ter acautelado alternativas para as infraestruturas da Base das Lajes, de forma a minimizar o impacto da redução da presença militar norte-americana, prevista

“Não pode o Governo Regional descartar as suas responsabilidades, por não ter preparado qualquer plano de contingência para fazer face a possíveis reduções como as agora em curso, e por não ter acautelado junto do Governo da República qualquer alternativa que compensasse uma situação destas”, frisou o vice-presidente regional do partido, Nuno Melo Alves, numa conferência de imprensa em Angra do Heroísmo.

Os Estados Unidos preveem reduzir para 160 elementos os atuais 800 militares e 600 familiares destacados na Base das Lajes, na ilha Terceira, o que deverá provocar o despedimento de 300 dos cerca de 700 trabalhadores portugueses no local.

Segundo Nuno Melo Alves, o problema “já vinha sendo anunciado há muito tempo”, mas o Governo Regional “nunca se empenhou o suficiente”.

“O governo poderia ter criado outras áreas de investimento no seio do Orçamento Regional para a zona da Praia da Vitória para a ocupação de certas áreas da atual estrutura da Base das Lajes, criando assim outras alternativas para a absorção de mão de obra”, realçou.

O centrista acusou o anterior executivo regional do PS de ter acabado com o mercado de arrendamento de casas a militares americanos “ao autorizar a construção de mais de 150 fogos para habitação dentro da base”, acrescentando que um secretário regional desse executivo abdicou de "reivindicações dos trabalhadores no que toca à atualização dos seus vencimentos”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.