Visita Estatutária

Casa dos Cedros dá vida à cada vez mais despovoada freguesia da ilha das Flores


 

Lusa/AO online   Regional   7 de Nov de 2017, 12:12

A Casa dos Cedros, nas Flores, onde se confecionam vários tipos de doces, dá vida à cada vez mais despovoada freguesia com o mesmo nome, quebrando, também, o isolamento da sede do concelho, Santa Cruz das Flores.

“É uma freguesia isolada que não tinha nada e que a partir do momento que abrimos a porta passámos a ter um bar onde as pessoas podem tomar um café, lanchar, comer massa sovada, bolos”, disse hoje a provedora da Santa Casa da Misericórdia de Santa Cruz das Flores, Dora Valadão, em declarações à agência Lusa.

Segundo os últimos Censos, em 2011 moravam na freguesia 128 pessoas, mas duas décadas antes eram cerca de 200.

Doada por um utente há muitos anos, a Casa dos Cedros é uma valência da Santa Casa da Misericórdia e no espaço funciona um bar, onde é comercializada a doçaria, e uma cozinha de apoio ao lar.

Distando sete quilómetros de Santa Cruz, este espaço, o único da zona, foi inaugurado em 2013.

Segundo a provedora da Misericórdia, abrir uma pastelaria numa zona “tão distante” foi "uma mais-valia", permitindo criar dois postos de trabalho.

O próximo objetivo é que a Casa dos Cedros seja “autossuficiente e se transforme numa cooperativa de economia solidária", adiantou a responsável.

Até atingir esta meta, o espaço continua diariamente a confecionar biscoitos, totalmente caseiros e feitos com base em receitas antigas da ilha, além de rissóis, bolos e pizzas.

"Vendemos os doces na pastelaria, mas também fazemos entregas mediante encomendas", acrescentou Dora Valadão, assegurando que "não há tartes congeladas".

A venda dos bolos e outras iguarias que confecionam permite assegurar o vencimento dos dois funcionários da Casa dos Cedros, que tem também a funcionar um centro de convívio.

"A freguesia tem pouca população, mas fazemos os possíveis para vender ao público, além de fornecer o lar da Santa Casa”, referiu, explicando que por ocasião das festas 'Cais das Poças' abrem um espaço para ajudar a pagar vencimentos.

A Santa Casa da Misericórdia de Santa Cruz das Flores dispõe de um lar com capacidade para 31 utentes, constituindo a valência principal da instituição. Este lar tem o nome do fundador da Misericórdia, em 1876, António Vicente Peixoto Pimentel, que fundou ainda o antigo hospital das Flores.

A provedora destacou o papel da Santa Casa no apoio à população, já que dispõe da única farmácia da ilha.

A Santa Casa da Misericórdia tem também um polo de apoio a vítimas de violência doméstica e um centro de acompanhamento de deficientes e doentes da Machado-Joseph, além de um espaço de recreio e lazer para as crianças, valência em parceria com a autarquia.

O Governo dos Açores termina hoje a visita estatutária de dois dias à ilha das Flores, cumprindo com o estabelecido no Estatuto Político-Administrativo da região.

O estatuto determina que o executivo regional visite cada uma das ilhas do arquipélago pelo menos uma vez por ano e que o Conselho do Governo se reúna na ilha visitada.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.