Carnaval de Torres Vedras é dedicado ao amor e decorre entre 13 e 17 de fevereiro

Carnaval de Torres Vedras é dedicado ao amor e decorre entre 13 e 17 de fevereiro

 

Lusa/AO Online   Nacional   23 de Jan de 2015, 17:44

O Carnaval de Torres Vedras, que se realiza de 13 a 17 de fevereiro, sai este ano para a rua com um orçamento de 500 mil euros e é dedicado ao tema amor, mote do monumento inaugurado no sábado na cidade.

 

César Costa, secretário-geral da empresa municipal Promotorres, responsável pela organização do evento, disse hoje à agência Lusa que há este ano um investimento maior do que em 2014, quando o orçamento foi de 480 mil euros.

O responsável explicou que o investimento do município (100 mil euros) e de privados se mantém idêntico ao de 2014, mas o evento está a dar cada vez mais passos no sentido de se autofinanciar, graças ao aumento de espetadores e dos proveitos de bilheteira, que representam 60% da receita total.

Por esse motivo, o evento volta a atingir valores orçamentais de 2011.

O monumento será inaugurado, no centro da cidade, numa festa que junta cerca de 400 mascarados e os tradicionais cabeçudos, acompanhados pelo som dos bombos.

Com 15 metros de altura e mais de oito toneladas, o monumento é ‘transformado’ em árvore do paraíso, com os míticos Adão e Eva a serem vítimas do Cupido e a exemplificarem os “maus vícios”, que consubstanciam os sete pecados mortais.

Há, inclusive, alusões às intenções de investimentos em Portugal da angolana Isabel dos Santos e à legalização dos casamentos de homossexuais, com ‘casamentos’ de figuras do futebol e políticos travestidos.

O Carnaval de Torres, que em 2014 teve 350 mil visitantes em quatro dias, mantém os habituais corsos diurnos e noturnos, em que desfilam oito carros alegóricos, conhecidos pela sátira político-social, e milhares de foliões mascarados, muitos dos quais disfarçados de matrafonas (homens mascarados de mulheres), como é típico no concelho.

César Costa adiantou que estão inscritos dois mil figurantes para os grupos de mascarados. À semelhança dos anos anteriores, são esperadas oito mil crianças para o corso escolar, na sexta-feira, dia 13.

A edição coincide este ano com o Dia dos Namorados, no sábado, dia 14, motivo pelo qual são esperados grupos de mascarados e figurantes vestidos em alusão ao tema.

Os corsos diurnos de domingo e de terça-feira e os noturnos de sábado e segunda-feira são pagos, custando a entrada cinco euros ou o livre-trânsito para todos os dias 10 euros, preços que não sofrem aumentos desde 2008.

Depois dos corsos, a animação continua madrugada fora nos bares e em vários recintos ao ar livre da cidade.

A pensar nos visitantes, a organização vai este ano reforçar as entradas com maior número de bilheteiras e mantém a entrada gratuita para desempregados.

A organização pretende avançar com uma candidatura a património imaterial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) por considerar este o Carnaval "mais português de Portugal".

Segundo um estudo económico, realizado em 2014, durante os quatro dias o Carnaval gera receitas de 10 milhões de euros na economia local, que aumenta as suas vendas em 30%.

O mesmo estudo concluiu que, através de mais de quatro centenas de notícias publicadas, chega a 78 milhões de pessoas, criando um impacto mediático avaliado em 15 milhões de euros.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.