Carlos César pede clarificação socialista para as presidenciais

Carlos César pede clarificação socialista para as presidenciais

 

Lusa/AO On line   Regional   6 de Abr de 2010, 06:48

O presidente do PS/Açores, Carlos César, defendeu hoje a necessidade de o partido, a nível nacional, definir “com urgência” a sua posição relativamente às eleições presidenciais, frisando que o país “exige clareza”.

“O PS tem obrigação de ter uma posição clara”, afirmou Carlos César, defendendo que a candidatura a apoiar pelo partido “só pode ser uma alternativa ao atual Presidente da República, que se funda à esquerda e seja apoiada pelo maior número possível de forças políticas”.

Para Carlos César, que falava numa sessão partidária em Santa Cruz da Graciosa para apresentar a sua moção ao próximo congresso do PS/Açores, “o passado recente mostra" que é preciso "um Presidente da República que dê um voto de confiança às autonomias e não seja instigador de reservas adversas às experiências autonómicas”.

Nesse sentido, e sem nunca referir o nome de nenhum candidato presidencial, afirmou que é necessária “uma alternativa à via tradicional da desconfiança”.

Na sua intervenção, Carlos César defendeu ainda a necessidade de um “reforço progressivo dos poderes regionais”, mas esclareceu que “o reforço da autonomia política dos Açores e da Madeira não deve ser encarado como um processo separativo, mas de integração numa nova visão europeia”.

O reforço da autonomia deve, no entanto, ser acompanhado por uma preocupação com a sustentabilidade, já que “se a autonomia não for saudável, está condenada a prazo”, defendeu.

“É fundamental uma situação de rigor, boa gestão e solidez de finanças públicas”, afirmou, salientando que “nesta altura de crise, não há que ter dúvidas, a despesa pública deve ser orientada para investimentos estratégicos que sejam essenciais para o garante da sustentabilidade futura”.

Relativamente ao seu partido, Carlos César revelou que o candidato às eleições regionais de 2012 será conhecido durante o “primeiro semestre do próximo ano”, não adiantando nenhum pormenor sobre qual será a sua decisão relativamente a uma eventual recandidatura à presidência do governo açoriano.

Quanto ao congresso de meados de abril, defendeu que é uma “oportunidade para um debate aprofundado sobre os novos desafios” e deve ser um momento de “afirmação da credibilidade” do PS/Açores.

“Se não liderarmos a mudança, os açorianos mudam-nos”, alertou, deixando ainda um aviso para o interior do partido, onde “ninguém deve ser considerado inamovível”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.