PEC

Carlos César defende que PEC "seja levado a sério"

Carlos César defende que PEC "seja levado a sério"

 

Lusa / AO online   Regional   9 de Mar de 2010, 15:32

O presidente do Governo açoriano saudou esta terça-feira o facto de Sócrates incluir “pela primeira vez” nas audições sobre o Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) as regiões autónomas e defendeu ser “fundamental que este programa seja levado a sério, não seja interrompido ou destruído, para que não se volte sucessivamente aos mesmos portugueses os mesmos esforços”.
“Os açorianos seguem como beneficiários e também como parte esforçada o que resulta deste PEC (…) temos sido solidários com o país na adopção de medidas restritivas quando é o caso e somos também um exemplo no plano de gestão de finanças públicas que deve ser considerado nestas circunstâncias”, salientou.

O governante assinalou que os Açores não são “contribuintes líquidos desta degradação da situação financeira que o país sofreu”, e que têm “uma dívida pública inferior a 9 por cento do nosso PIB”, adiantando que as transferências “ao abrigo da Lei das Finanças Regionais de 2007” vão manter-se “ao nível actual” até 2013.

O recurso ao endividamento será feito apenas no caso “dos projectos comunitários e em situações de grande excepcionalidade”.

Sobre as privatizações anunciadas, César adiantou que os “investimentos pendentes” da ANA, “que se preparavam para ser iniciados nos aeroportos do Faial e das Flores, não serão prejudicados”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.