Carlos César defende obrigação dos governos de ajudar pobres e remediados

Carlos César defende obrigação dos governos de ajudar pobres e remediados

 

Lusa/AO online   Regional   22 de Dez de 2010, 11:39

O presidente do Governo Regional dos Açores considera que em época de crise constitui obrigação dos governos ajudar “primeiro os mais pobres, para comporem a sua vida e, depois, os remediados, para não tombarem na pobreza”.
“É o que tentamos fazer nos Açores, atentos às famílias com baixos rendimentos, desempregados ou com carências habitacionais” e às “famílias que, com um rendimento médio, suportam, com o seu esforço, encargos significativos para terem uma casa, cuidarem dos seus idosos ou assegurarem a educação especializada ou superior dos seus filhos”, acrescenta Carlos César em mensagem de Natal.

Para o presidente do Governo Regional dos Açores, o tempo de “crises económicas e sociais que se vive por quase toda a parte” convoca todos a contribuir com a sua “iniciativa e inteligência” para que a economia melhore e empresários e produtores “possam pagar melhor o trabalho e consigam criar mais empregos”.

O chefe do Executivo açoriano declara-se também convencido de que “apesar do ano difícil que se anuncia para Portugal e para a Europa em 2001” se vai resistir e conseguir ultrapassar as adversidades com “melhor administração e com o melhor empenho”.

“Esta crise mundial não durará para sempre e o importante será a sabedoria que usarmos para nos defendermos o melhor possível enquanto ela durar. Para isso não há cidadão, nem partido ou outra instituição, que deva negar a sua colaboração”, sublinha.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.