Capitão do porto da Horta sugere mais segurança no transporte de viaturas


 

Lusa/AO online   Regional   30 de Jan de 2015, 17:19

O capitão do porto da Horta, Diogo Vieira Branco, sugeriu o reforço das "condições de segurança" no transporte marítimo de viaturas entre as denominadas ilhas do triângulo (Faial, Pico e São Jorge).

Num comunicado enviado às redações, o capitão do porto entende que ainda não estão reunidas as condições para retomar a operação na ilha do Pico, que está suspensa desde 14 de novembro, na sequência da morte de um passageiro, atingido por um cabeço de amarração.

"O capitão do porto da Horta exortou a Portos dos Açores, SA e a Transmaçor, Lda a adotarem determinadas ações de forma a assegurar a segurança da operação", refere o comunicado, que não especifica, porém, que medidas será necessário reforçar.

A Lusa procurou obter reações dos responsáveis pelas duas empresas públicas, que estiveram hoje reunidos a analisar o assunto, mas nenhum deles quis falar aos jornalistas enquanto não estiver concluído o inquérito às causas do acidente.

Os navios “Mestre Simão” e “Gilberto Mariano”, que asseguram o transporte marítimo de passageiros e viaturas entre as ilhas do triângulo, vão continuar, por isso, a operar na ilha do Pico, mas com restrições.

Os passageiros vão continuar a embarcar e desembarcar pelas rampas laterais, uma vez que as rampas de popa, por onde entram e saem as viaturas, não poderão ser utilizadas, atendendo a que isso obriga a uma maior pressão sobre os cabos e sobre os cabeços de amarração.

No mesmo comunicado, Diogo Vieira Branco lembra ainda que a Portos dos Açores é a entidade responsável pela segurança dos portos e que compete à Transmaçor, na qualidade de armador, responder por todos os "atos e omissões" da tripulação.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.