Candidato único à liderença da JSD/Açores quer introduzir limitação de mandatos

Candidato único à liderença da JSD/Açores quer introduzir limitação de mandatos

 

Lusa/AO Online   Regional   20 de Fev de 2015, 09:18

Daniel Pavão, candidato único à liderança da JSD/Açores, que se reúne em congresso a partir de hoje, propõe a introdução da limitação de mandatos e revela que só poderá cumprir um mandato, porque faz 30 anos em novembro.

“O limite para ser presidente é 30 anos, mas qualquer militante que se candidate antes de fazer 30 anos pode ser presidente”, afirmou Daniel Pavão em declarações à agência Lusa, admitindo ter “perfeita noção” de que só poderá cumprir um mandato já que em 2017, ano do próximo congresso regional, terá 31 anos.

Cerca de uma centena e meia de congressistas participa entre hoje e 22 de fevereiro no XVIII congresso regional da JSD/Açores, que decorre em Ponta Delgada e onde serão apresentadas 11 moções temáticas.

Os jovens social-democratas vão, também, debater e votar a moção global de estratégia intitulada “Menos do mesmo” e composta por quatro capítulos (30 páginas) do único candidato à presidência da JSD/Açores, Daniel Pavão, que até agora exercia o cargo de secretário-geral da organização.

Daniel Pavão, militante da JSD/Açores desde 2004, revelou que na revisão estatutária que vai apresentar propõe a introdução da limitação do número mandatos na JSD/Açores, tal como já ocorre com os autarcas, “que estão impedidos de se candidatarem mais de três vezes”.

No congresso que hoje começa, Cláudio Almeida faz a sua despedida enquanto líder da JSD/Açores, por limitação de idade, ao fim de quatro mandatos consecutivos, e Daniel Pavão assume desde já algumas diferenças.

“O Cláudio Almeida foi presidente nove anos. Fiz parte dos órgãos regionais com ele nos últimos dois anos. Fui secretário-geral, mas o Cláudio neste momento é deputado [no parlamento dos Açores] e eu não sou. O Cláudio veio do meio estudantil e associativo e eu venho do meio empresarial e quero trazer essa experiência para a forma de estar na política”, afirmou o candidato à liderança da JSD/Açores, que é biólogo de formação.

Assumindo que não é político profissional, nem pretende ser, Daniel Pavão tenciona atrair “gente desgostosa” com a política e que “possa dar o seu contributo para uma geração que cada vez mais se queixa de tudo”.

“Quero que os jovens falem e dêem a sua opinião. Temos uma população jovem com elevadas taxas de desemprego, mas depois, praticamente, nunca dão a sua opinião sobre nada”, referiu Daniel Pavão, acrescentando que “nos Açores, muitos jovens têm medo de falar sobre política”.

Para o candidato, as altas taxas de desemprego jovem na região são “um reflexo da falta de planeamento” e urge resolver o problema, considerando ainda que "as baterias" estão "apontadas em camuflar os números e as estatísticas”.

A sessão de abertura do congresso acontece hoje, pelas 21:00 locais (22:00 em Lisboa), com intervenções do presidente cessante da JSD/Açores, Cláudio Almeida, do secretário-geral do PSD/Açores, Ricardo Pacheco, e do secretário-geral do PSD nacional, José Matos Rosa.

A sessão de encerramento ocorre no domingo, com os discursos do novo presidente da JSD/Açores, do líder nacional da JSD, Simão Ribeiro, e do presidente do PSD/Açores, Duarte Freitas.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.