Candidato do MPT por São Miguel quer ser "provedor do contribuinte"


 

Lusa/AO Online   Regional   16 de Set de 2016, 13:03

O cabeça de lista do Partido da Terra (MPT) pelo círculo de São Miguel às eleições regionais dos Açores quer ser "provedor dos contribuintes" e defender a sustentabilidade, a saúde e a segurança.

 

“Quero ser provedor dos contribuintes e assegurar que cada despesa do Governo Regional traga proventos para os Açores, satisfaça a nossa população e não haja mais desperdícios”, afirmou hoje à agência Lusa João da Silva Gomes.

O candidato, de 48 anos, é professor, natural de Moçambique e residente em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, concorrendo por este círculo como independente.

João da Silva Gomes, que já foi candidato do PSD à Junta de Freguesia de São Pedro, concelho de Ponta Delgada, adiantou que aceitou agora o desafio do MPT por uma “questão de cidadania” e porque “não se pode deixar de mostrar disponibilidade para melhorar a governação” do arquipélago.

Entre as várias propostas do MPT, o cabeça de lista por São Miguel destacou a criação de hortas urbanas em colaboração com as autarquias, cursos gratuitos de agricultura sustentável e de alimentação saudável, assim como a substituição do cloro pelo ozono nas piscinas e na rede de água canalizada.

João da Silva Gomes defendeu também a aposta no cicloturismo e na criação de mais faixas de rodagem exclusivas para bicicletas, de modo a reduzir a poluição, destacando que esta é “uma prática que já existe em Ponta Delgada, mas é necessário alargar a outros concelhos”.

Ao nível dos transportes marítimos de passageiros, o candidato considerou que devem ser “mais baratos”.

Para rejuvenescer os concelhos que sofrem da diminuição da população, o candidato do MPT propõe que o Governo Regional e as autarquias ofereçam lotes e cursos de autoconstrução a jovens casais.

Além do turismo, agricultura e pescas, o candidato disse ser importante que a região diversifique a sua economia e aposte na oferta de bolsas para investigação na Universidade dos Açores.

No arquipélago, onde o PS governa há 20 anos, há nove círculos eleitorais, coincidentes com cada uma das ilhas, e um círculo regional de compensação, que junta os votos que não permitem eleger deputados nos círculos de ilha.

O PS tem 31 dos 57 lugares na Assembleia Legislativa dos Açores, enquanto o PSD, o maior partido na oposição, conquistou 20 mandatos. O CDS-PP tem três deputados no parlamento regional, enquanto BE, PCP e PPM conseguiram um mandato cada.

Nas eleições regionais de 16 de outubro, o círculo eleitoral de São Miguel elege 20 deputados para o parlamento, mais um do que no sufrágio de 2012.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.