Câmara de Vila Franca do Campo com orçamento de quase 9,3ME em 2016

Câmara de Vila Franca do Campo com orçamento de quase 9,3ME em 2016

 

Lusa/AO Online   Regional   26 de Nov de 2015, 13:12

O Orçamento de 2016 da Câmara de Vila Franca do Campo, nos Açores, com um valor de quase 9,3 milhões de euros, foi aprovado pela Assembleia Municipal, tendo recebido oito votos contra e uma abstenção da bancada do PSD.

“É um plano realista, para continuarmos a pagar aos nossos fornecedores dentro de um prazo médio de pagamento de 12 a 15 dias, termos dinheiro para os salários dos nossos trabalhadores e, no que resta, darmos um apoio social que é indispensável nos dias que correm, bem como fazer novos investimentos, aproveitando os fundos comunitários, em áreas prioritárias de desenvolvimento do concelho”, disse hoje à agência Lusa o presidente da Câmara, o socialista Ricardo Rodrigues.

O Plano e Orçamento do Município para 2016 foi aprovado na quarta-feira à noite com os votos favoráveis dos 14 deputados municipais do PS e dos dois deputados do movimento independente Novo Rumo.

Votaram ainda a favor dois deputados do PSD, nomeadamente os presidentes das Juntas de Ribeira Seca e de Ponta Garça.

Segundo o presidente da Câmara de Vila Franca do Campo, "o montante global da receita prevista é de 9,272 milhões de euros, nos quais se incluem alguns investimentos também financiados pelo Quadro Comunitário de Apoio".

"Temos três milhões e pouco para amortização de capital e juros de uma dívida anterior e 2,5 milhões de euros para pagamento de salários", salientou o autarca, para quem o pagamento das "dívidas anteriores limita muito a ação" da Câmara nos próximos 20 anos", depois de "um endividamento muito elevado que o PSD fez” na autarquia.

Quanto a investimentos para o próximo ano, o autarca socialista apontou a ampliação do parque industrial, uma obra que será candidatada a fundos comunitários e que deverá ser realizada no início do próximo ano, e a construção de uma estrada circundante a uma arriba que está instável na freguesia de Ponta Garça, que a autarquia tenciona igualmente candidatar a fundos comunitários.

A modernização administrativa dos serviços da Câmara e uma requalificação da costa de Vila Franca do Campo, com a recuperação do antigo barracão de peixe, são outros dos investimentos projetados, também alvo de candidaturas.

Ricardo Rodrigues assegurou que pretende manter, no próximo ano, o apoio aos mais carenciados "disponibilizado através do apoio social" e continuar "a colaboração com o Governo Regional para que seja possível enquadrar mais desempregados" em programas ocupacionais.

Rui Melo (PSD), antigo presidente do PSD da Câmara de Vila Franca, justificou à Lusa o seu voto contra o Orçamento alegando que "as despesas correntes continuam a aumentar de ano para ano com cargos políticos, com combustíveis, comunicações, tendo o município recorrido muitas vezes a prestação de serviços por avença".

Na sua declaração de voto, disse que, "passados seis anos da gestão autárquica socialista em Vila Franca do Campo, está tudo na mesma, sem projeto e sem rumo", e referiu que "o discurso principal é a dívida do passado, passado este que há muito deixou de ser presente".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.