Cadeia de Angra do Heroísmo com reforço de guardas prisionais em abril

Cadeia de Angra do Heroísmo com reforço de guardas prisionais em abril

 

Lusa/AO Online   Regional   6 de Fev de 2018, 07:19

O Estabelecimento Prisional de Angra do Heroísmo terá um reforço de guardas prisionais, em abril, que permitirá a transferência de reclusos da ilha de São Miguel, adiantou  o diretor-geral de Reinserção e Serviços Prisionais.


"Em Angra do Heroísmo temos uma cadeia sublotada, que nós estamos em crer que rapidamente, ou seja, durante o mês de abril, irá ter um reforço grande de pessoal, o que significa que poderemos trazer pessoas de Ponta Delgada para esta ilha e tentar resolver o problema dos Açores no seu conjunto", declarou Celso Manata.

O diretor-geral de Reinserção e Serviços Prisionais falava em Angra do Heroísmo aos jornalistas à margem de uma reunião com a secretária regional da Solidariedade Social dos Açores, Andreia Cardoso.

O Estabelecimento Prisional de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, tem capacidade para 110 reclusos, mas tem cerca de 170, tendo tido já mais de 200.

Está prevista a construção de uma nova cadeia, mas até lá o Governo da República vai transferir reclusos para o Estabelecimento Prisional de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, para minimizar o problema.

"Temos um concurso de guardas prisionais a terminar no dia 09 de março, eles tomarão posse no dia 24 de março e será colocado aqui em Angra do Heroísmo um contingente suficiente para nós podermos aproveitar a lotação do estabelecimento prisional, aliviando assim o estabelecimento prisional de Ponta Delgada, que vai entrar em obras dentro de pouco tempo", salientou Celso Manata.

O diretor-geral de Reinserção e Serviços Prisionais deslocou-se à ilha Terceira para acertar com o Governo Regional a implementação de três projetos vencedores do Orçamento Participativo de Portugal, relativos à cadeia de Angra do Heroísmo.

No total, está previsto um investimento de 350 mil euros, em três projetos, um com vista à oferta de formação académica e tecnológica e de competências pessoais e sociais a reclusos, orçado em 150 mil euros, um que propõe a criação de uma bolsa de formadores de reclusos, orçado em 100 mil euros, e outro de oferta de formação pessoal e profissional a reclusos, com o mesmo valor.

O objetivo é que os projetos tenham continuidade, após a implementação da verba do Orçamento Participativo, em colaboração com o Governo Regional e o Instituto de Segurança Social dos Açores (ISSA).

"É fundamental que este não seja um projeto para durar 18 meses, mas sim um projeto que tenha continuidade", salientou a secretária regional da Solidariedade Social.

Segundo Andreia Cardoso, até ao final do primeiro semestre deste ano, será igualmente alargado um projeto de formação e capacitação dos reclusos e de preparação para a saída em liberdade, que já acompanhou 250 reclusos em Ponta Delgada, desde 2014.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.