Ambiente

Cachalote que apareceu morto vai ser 'laboratório' para os cientistas

Cachalote que apareceu morto vai ser 'laboratório' para os cientistas

 

Rui Jorge Cabral   Regional   29 de Set de 2010, 11:45

Os investigadores do Departamento de Oceanografia e Pescas (DOP) da Universidade dos Açores, em conjunto com os técnicos do Parque Natural do Faial da Secretaria Regional do Ambiente e do Mar, estão a efectuar trabalhos de necropsia e colheita de amostras para trabalhos científicos num cachalote que apareceu morto à entrada do Canal Faial-Pico.
Os cientistas delimitaram uma área à volta do cachalote e alertaram para a possibilidade de libertação de cheiros intensos e desagradáveis, mas que não constituem perigo para a saúde pública.

Segundo o GACS, o cachalote que apareceu morto tem oito metros de comprimento, pesa cerca de 20 toneladas e a investigação científica permitirá recolher informações sobre a contaminação bacteriológica e a degradação dos tecidos em meio marinho.

Os trabalhos de transporte do cachalote estão a ser coordenados pela Rede de Arrojamento de Cetáceos dos Açores, coordenada pela Secretaria Regional do Ambiente e do Mar, com a colaboração da Administração Portuária, que rebocou o animal até ao local dos trabalhos e da Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, que procedeu ao transporte do cachalote em terra.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.