Pescas

Bruxelas quer reduzir ou manter possibilidades de pescas em águas profundas

Bruxelas quer reduzir ou manter possibilidades de pescas em águas profundas

 

Lusa/AO online   Economia   6 de Out de 2010, 12:32

A Comissão Europeia propôs hoje a manutenção ou diminuição até 15 por cento das possibilidades de pesca para 2011 e 2012 nas espécies de águas profundas, devido ao estado dos recursos.
Bruxelas propõe que os totais admissíveis de capturas (TAC) para o peixe-espada preto nas águas da Península Ibérica e Açores se mantenham nas 3348 toneladas nos próximos dois anos.

Já nas águas da Madeira, é avançado um corte de 15 por cento para 2011, em relação às 4285 toneladas deste ano, e manutenção do TAC de 3643 toneladas em 2012.

A lagartixa-da-rocha pode ser pescada nos Açores e Península Ibérica até um total de 293 toneladas em 2011 (menos 15 por cento do que este ano) e de 253 (um corte de 14 por cento) em 2012.

Já para o goraz, a Comissão Europeia propõe a manutenção das 780 toneladas em águas portuguesas e de 1136 nas do arquipélago dos Açores.

As capturas de abrótea na Península Ibérica serão mantidas nas 267 toneladas anuais nos próximos dois anos, mas para as águas açorianas é proposto um corte de 15 por cento, para as 46 toneladas, em 2011, e de igual percentagem, para as 40, em 2012.

No que respeita aos tubarões de águas profundas nas águas dos Açores, mantém-se a proposta de não haver capturas nos próximos dois anos, a exemplo do que aconteceu em 2010.

As propostas da Comissão Europeia, que assentam em dados científicos sobre o estado dos recursos, serão debatidas e decididas pelos ministros das Pescas dos 27.

Bruxelas considera que os esforços dos 27 para designar áreas especiais de protecção de espécies contribuam para melhorar a situação dos "stocks".

No entanto, o executivo europeu apela a um maior envolvimento na adopção de medidas que reduzam os impactos negativos da actividade pesqueira, como as capturas acessórias.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.