Bruxelas decide prolongar ajudas aos agricultores face a embargo russo

Bruxelas decide prolongar ajudas aos agricultores face a embargo russo

 

Lusa/AO Online   Economia   30 de Jul de 2015, 12:14

A Comissão Europeia decidiu hoje prolongar até ao próximo ano medidas de apoio aos agricultores europeus nos setores dos laticínios, frutas e legumes, face ao prolongamento do embargo da Rússia, assim como à diminuição das importações da China.

O executivo comunitário indicou hoje que está a “finalizar os últimos detalhes com vista à adoção forma” das decisões agora tomadas, esperando que as medidas de apoio aos setores das frutas e legumes, que expiram hoje, entrem em vigor já na próxima semana, sendo prolongadas até 30 de junho de 2016, enquanto os apoios aos lacticínios, que terminam apenas a 30 de setembro, deverão entrar em vigor a 01 de outubro.

No setor dos laticínios, as medidas consistem em compra pública (intervenção) ou ajuda a armazenamento privado sobretudo de manteiga e leite em pó, enquanto os apoios para os principais grupos de frutas e vegetais abrangidos pelo embargo russo consistem sobretudo em retirar do mercado produtos para distribuição a instituições de caridade, assim como outros fins (como alimentação para a animais e compostagem e destilação).

Em finais de junho, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que a Rússia iria prolongar por um ano o embargo aos alimentos perecíveis provenientes da União Europeia, em resposta ao alargamento das sanções de Bruxelas contra Moscovo devido à crise na Ucrânia.

Hoje, o comissário europeu da Agricultura, Phil Hogan, comentou que as medidas de apoio adotadas em 2014 se revelaram “importantes para mitigar os efeitos do embargo” russo e, “agora, quase um ano volvido, com o embargo prolongado”, é necessário a UE continuar a providenciar uma “rede de segurança” aos produtores que continuam a enfrentar dificuldades.

Além dos problemas causados pelo embargo russo, também o abrandamento das importações da China tem levado a uma queda das exportações europeias e consequente quebra significativa dos preços.

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.