Bruxelas ainda avalia realização de festejos de ano novo devido a ameaça terrorista

Bruxelas ainda avalia realização de festejos de ano novo devido a ameaça terrorista

 

Lusa/AO online   Internacional   29 de Dez de 2015, 14:44

O presidente da comuna de Bruxelas, Yvan May, decidirá na quarta-feira se decorrem os festejos do fim de ano na rua, na sequência das detenções de dois suspeitos de planearem atentados "em locais emblemáticos" da capital belga.

 

A decisão apenas será tomada na véspera à luz da investigação das autoridades de segurança, que consideraram uma "possível e credível ameaça, ao mesmo estilo dos ataques em Paris", mas não um risco de ataque iminente.

O autarca explicou que os festejos este ano estão previstos para a zona entre a Bolsa e a Praça de Brouckère, “precisamente para evitar as multidões na Grand Place”, um dos locais mais emblemáticos de Bruxelas.

Para tomar a decisão, Yvan May pediu ao Órgão de Coordenação para a Análise de Ameaças (OCAM, em francês) um parecer focado na área prevista para as festividades e que deve ser feito na tarde de quarta-feira.

A Bélgica mantém o nível 3 de alerta, que inclui uma vigilância maior em ocasiões de concentração de pessoas, tendo o último Conselho de Ministros decidido prolongar a presença de militares nas ruas até 20 de janeiro.

Entretanto, a Belga, agência noticiosa, avançou uma análise da Ocam datada de segunda-feira, que definiu como possíveis alvos de ataques a Grand Place, a Esquadra Central da Polícia de Bruxelas, militares e polícias fardados”, pelo que decidiu aumentar o nível de alerta para esquadras, sobretudo na zona do centro, até 04 de janeiro.

A Ocam não defendeu o aumento generalizado do alerta por “não ser iminente” um ataque.

Segundo a Belga, a Ocam considerou haver "uma possível e credível ameaça, ao mesmo estilo dos ataques em Paris".

A Procuradoria belga divulgou hoje a detenção de seis pessoas, das quais quatro foram libertadas, no quadro de uma investigação que revelou “ameaças sérias de atentados em lugares emblemáticos de Bruxelas durante as festas de fim de ano”.

Um dos suspeitos foi preso sob a suspeita de planear ataques e também por “desempenhar um papel de liderança em atividades de um grupo terrorista e recrutar”, enquanto outro enfrenta acusações de planeamento e “participação em ativistas de um grupo terrorista”, refere o mesmo comunicado.

A imprensa local relata uma “operação antiterrorista discreta, mas importante” realizada nos últimos dias, em Bruxelas, na região de Liège e na província Brabante flamenga.

No comunicado da Procuradoria, lê-se ainda que durante as buscas foram apreendidos material informático, equipamentos de treino do tipo militar e propaganda do grupo extremista Estado Islâmico.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.