Bloco de Esquerda lamentou morte de mulher apegada à liberdade


 

Lusa/AO Online   Nacional   7 de Jul de 2015, 09:35

A porta-voz do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, lamentou hoje a morte de Maria Barroso, que caracterizou como uma "mulher muito determinada" e apegada à "liberdade e dignidade humana".

Em declarações à agência Lusa, a deputada bloquista destacou Maria Barroso como uma “mulher com um percurso singular de luta antifascista e que ao longo da sua vida manteve uma determinação, uma atividade e um apego às razões da liberdade e da dignidade humana”.

A morte da mulher do ex-Presidente da República Mário Soares “é uma perda para o país”, acrescentou Catarina Martins, referindo que os seus pensamentos são "para com a família e amigos, que estão num momento de dor e de perda".

Maria Barroso estava internada num hospital de Lisboa desde 26 de junho passado devido a uma queda, foi-lhe depois diagnosticado um derrame intracraniano e entrou em coma no mesmo dia.

Casou com Mário Soares em 1949, de quem tem dois filhos, João e Isabel.

Maria Barroso foi atriz e uma das fundadoras, em 1973, do Partido Socialista, liderado por Mário Soares.

Um dos seus últimos cargos públicos foi a presidência da Cruz Vermelha Portuguesa, tendo também dirigido a associação Pro Dignitate, que ajudou a fundar.

Diplomou-se em Arte Dramática na escola de Teatro do Conservatório Nacional e licenciou-se depois em Ciências Histórico-Filosóficas, na Faculdade de Letras de Lisboa, onde conheceu Soares.

O corpo de Maria Barroso Soares estará em câmara ardente no Colégio Moderno, em Lisboa, a partir das 18:00 de hoje, realizando-se o funeral na quarta-feira para o Cemitério dos Prazeres, anunciou a família.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.