Política

Berta Cabral contra austeridade de Passos Coelho

Berta Cabral contra austeridade de Passos Coelho

 

Lusa/AO online   Regional   15 de Set de 2012, 14:55

A presidente do PSD/Açores, Berta Cabral, manifestou-se contra as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro e líder nacional do partido, Pedro Passos Coelho, salientando ter apresentado medidas para "anular e amenizar os efeitos negativos da austeridade".

Uma dessas medidas, que pretende concretizar se assumir a presidência do executivo regional, é um "subsídio de insularidade" para os trabalhadores do setor privado, "no valor de cinco por cento do seu vencimento, até ao limite de 2.000 euros, a suportar pelas entidades patronais em função dos sete por cento que vão deixar de pagar para a Segurança Social". "Se os empresários deixam de pagar sete por cento para a Segurança Social, pegam nestes sete por cento e dão cinco por cento aos trabalhadores, através desse subsídio de insularidade, e ficam com dois por cento para fazer face a alguns agravamentos e dificuldades", afirmou Berta Cabral, em entrevista à Lusa. Para a líder regional social-democrata, "já que a redução da Taxa Social Única (TSU) não serve para criar emprego, na boca dos próprios empresários, então os empresários devolvem através de um subsídio de insularidade cinco por cento aos trabalhadores e ficam com dois por cento para si". A líder regional do PSD e candidata do partido à presidência do Governo Regional nas eleições de 14 de outubro frisou que Pedro Passos Coelho “está sempre convidado” para se deslocar aos Açores, "porque é o presidente do PSD e o primeiro-ministro de Portugal”, assegurando não recear que as medidas de austeridade a prejudiquem em termos de resultados eleitorais. "Os açorianos são inteligentes. Sabem que eu não sou Passos Coelho e sabem que os Açores não são o resto de Portugal continental”, afirmou, acrescentando que as medidas de poupança que apresentou para minimizar nos Açores o impacto da austeridade “são para cumprir, por estarem no âmbito das competências regionais e exercício da autonomia”. Na entrevista à Lusa, Berta Cabral reafirmou que o modelo de desenvolvimento proposto pelo PSD/Açores passa pela criação de uma “região económica”, que pretende "criar oportunidades nas nove ilhas", apesar de, pela primeira vez, o partido não apresentar listas próprias no Corvo, a mais pequena ilha do arquipélago, onde apoia a candidatura do PPM. “É uma questão estratégica, proposta pela própria comissão política de ilha”, referiu, assegurando que o acordo assinado entre os dois partidos prevê apenas compromissos parlamentares para aprovação do plano e orçamento e de documentos estratégicos propostos por um futuro governo que o PSD venha a formar. Berta Cabral manifestou-se convicta de que os açorianos vão optar pela alternância democrática, salientando que, se vencer as eleições, “as quotas nos Açores serão respeitadas”, já que, depois de dois homens como presidentes do Governo, João Bosco Mota Amaral e Carlos César, chegará a vez de uma mulher. “As pessoas olham para mim como igual a elas, com uma família igual às outras, como alguém que vive um dia a dia igual às outras pessoas. Isto é uma mais-valia”, sustentou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.