Berta Cabral admite que alguns trabalhadores da Manutenção Militar irão para a requalificação

Berta Cabral admite que alguns trabalhadores da Manutenção Militar irão para a requalificação

 

Lusa/AO online   Nacional   21 de Abr de 2015, 16:54

A secretária de Estado da Defesa admitiu hoje que alguns trabalhadores da Manutenção Militar, recentemente transformada em empresa pública, irão ser enviados para a requalificação, tal como aconteceu aquando da extinção das Oficinas Gerais de Fardamento (OGFE).

 

Berta Cabral falava durante uma audição na comissão parlamentar de Defesa, depois de ter sido questionada pela deputada do BE Mariana Aiveca sobre "o fantasma da requalificação que paira sobre os trabalhadores" da agora MM - Gestão Partilhada.

A governante referiu que cabe à nova administração da empresa identificar os trabalhadores necessários e "certamente como aconteceu com as OGFE, alguns serão enviados para a requalificação".

A secretária de Estado Adjunta e da Defesa adiantou que os trabalhadores, a maioria com vencimentos próximos do salário mínimo, vão receber inicialmente o ordenado por inteiro e depois este baixará para 60%.

"Os trabalhadores da Manutenção Militar que não integrarão a nova entidade (MM-Gestão Partilhada) vão receber o ordenado por inteiro até serem integrados na requalificação. Durante os primeiros 12 meses receberão 60 por cento do vencimento. Posteriormente, numa segunda fase e até à idade da reforma, nunca receberão menos do que o salário mínimo", precisou posteriormente a secretária de Estado à Lusa.

"Estou convencida que será um processo perfeitamente pacífico", disse.

O regime de requalificação prevê a colocação de funcionários públicos em inatividade.

O decreto-lei assinado pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, pela ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, e pela secretária de Estado da Defesa, Berta Cabral, estabelece que esta nova entidade pública empresarial vai ser responsável pelo "reabastecimento de víveres, fornecimento de alimentação confecionada e gestão de messes militares".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.