Benazir Bhutto morre em ataque suicida

Benazir Bhutto morre em ataque suicida

 

Lusa/AO   Internacional   27 de Dez de 2007, 12:21

A ex-primeira-ministra e líder da oposição paquistanesa Benazir Bhutto morreu hoje num ataque contra um comício, o segundo que sofreu desde que regressou de oito anos no exílio, a 18 de Outubro, para participar nas legislativas de 08 de Janeiro.
Bhutto, 54 anos, liderava o Partido do Povo Paquistanês (PPP).

    A ex-primeira-ministra exilou-se em 1999 no Dubai para escapar a um processo por alegado desvio de fundos públicos que lhe foi movido depois do golpe militar que em 1989 colocou o actual presidente, Pervez Musharraf, no poder.

    Quando regressou ao país, graças a uma amnistia concedida por Musharraf depois de fortes pressões internacionais, Bhutto prometeu lutar contra qualquer ditadura e combater os radicais islâmicos no país.

    Duas vezes primeira-ministra (1988-1990 e 1993-1996), Benazir Bhutto foi por isso ameaçada de morte pelos grupos radicais islâmicos se regressasse ao país, mas insistiu em fazê-lo e foi alvo de um primeiro atentado, do qual escapou ilesa, logo no dia em que chegou ao país.

    Na altura, Bhutto acusou os partidários do antigo regime militar do general Mohamad Zia-ul-Haq de terem fomentado o atentado, que matou mais de 100 apoiantes seus.

    "Sei exactamente quem me quer matar. São os dignitários do antigo regime do general Zia que hoje em dia estão por detrás do extremismo e do fanatismo", afirmou então Bhutto numa entrevista ao semanário francês Paris Match.

    O pai de Benazir Bhutto, o ex-primeiro-ministro Zulfiqar Ali Bhutto, foi derrubado em 1977 pelo general Zia ul-Haq e posteriormente executado em 1979.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.