BE defende uniformização dos sistemas informáticos na Saúde

BE defende uniformização dos sistemas informáticos na Saúde

 

Lusa/AO online   Regional   24 de Jul de 2014, 17:46

O Bloco de Esquerda nos Açores defendeu a uniformização dos sistemas informáticos utilizados no setor da Saúde no arquipélago de modo a otimizar o acesso à informação clínica dos pacientes por parte dos profissionais.

 

“Não há um sistema informático integrado entre os centros de saúde, unidades de saúde de ilha e os hospitais”, afirmou à agência Lusa o coordenador do BE/Açores e único deputado do partido no parlamento regional, Paulo Mendes.

Após uma reunião com a administração do Hospital Santo Espírito, na ilha Terceira, Paulo Mendes referiu que, atualmente, o mesmo paciente pode ter fichas clínicas no hospital de Angra e outra no centro de saúde com informações distintas ou então em duplicado.

“Convinha uniformizar esse sistema informático para otimizar o acesso à informação” defendeu o dirigente bloquista, lembrando que o hospital da Terceira, à semelhança do de São Miguel e do Faial, recebe pacientes de outras ilhas dos Açores.

Paulo Mendes criticou, por outro lado, a duplicação de investimentos na saúde nos Açores, apontando o caso da radioterapia, que ficará instalada em Ponta Delgada, apesar dos investimentos feitos no novo hospital de Angra do Heroísmo para acolher este serviço.

“Acaba por ser uma duplicação de investimento, ou seja, mais uma vez um custo sem qualquer justificação para o erário público”, sustentou.

Paulo Mendes reuniu, também, de manhã, com a direção da Associação Agrícola da ilha Terceira, tendo prometido intervir para resolver os problemas gerados com o novo regime contributivo para a Segurança Social que “muito tem penalizado os agricultores” nos Açores.

“É preciso adequar esse regime à realidade regional”, disse Paulo Mendes, que criticou o facto de os agricultores terceirenses serem dos que menos recebem por litro de leite no arquipélago, apesar do apoio comunitário para modernizar a fábrica da PRONICOL.

No dia em que o presidente da República Popular da China fez uma escala de várias horas na ilha Terceira, o coordenador do BE/Açores considerou ser necessário estar atento ao que realmente poderá interessar aos chineses nos Açores, que no seu entender passa mais pela extração de recursos geológicos do que pela utilização militar da Base das Lajes.

Paulo Mendes terminou hoje uma ronda de contactos de dois dias com intituições da ilha Terceira.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.